“Gostaria que a inflação tivesse atingido o seu pico em outubro, mas penso que há demasiada incerteza”, pelo que “obviamente que me surpreenderia” se isso acontecesse, declarou Christine Lagarde.

Intervindo numa audição na comissão dos Assuntos Económicos e Monetários do Parlamento Europeu, em Bruxelas, a responsável destacou o atual “ambiente de grande incerteza e com choques complexos que afetam a economia”, notando que “as decisões do Conselho do BCE continuarão a depender dos dados e a seguir uma abordagem de reunião a reunião”.

Certo é que, para Christine Lagarde, “as taxas de juro são, e continuarão a ser, o principal instrumento para combater a inflação”.

“Estamos empenhados em reduzir a inflação para o nosso objetivo a médio prazo e estamos determinados a tomar as medidas necessárias para o fazer”, sublinhou a responsável, admitindo “aumentar ainda mais as taxas para os níveis necessários de forma a assegurar que a inflação regresse atempadamente ao objetivo de médio prazo de 2%”.

Ainda assim, Christine Lagarde adiantou que “o caminho a seguir e a rapidez para lá chegar serão baseados nas perspetivas atualizadas, na persistência dos choques, na reação dos salários e das expectativas de inflação”.

A taxa de inflação atingiu, em outubro passado, um pico de 10,6% na zona euro, principalmente ‘puxada’ pela componente energética, dada a atual crise no setor e a guerra da Ucrânia, cujas tensões geopolíticas pressionaram ainda mais o mercado energético europeu.

Porque o seu tempo é precioso.

Subscreva a newsletter do SAPO 24.

Porque as notícias não escolhem hora.

Ative as notificações do SAPO 24.

Saiba sempre do que se fala.

Siga o SAPO 24 nas redes sociais. Use a #SAPO24 nas suas publicações.