No debate da generalidade do Orçamento do Estado para 2018 (OE2018) no plenário da Assembleia da República, Catarina Martins deixou um pedido aos deputados do PSD e CDS-PP: "não nos meçam pela vossa bitola, não nos confundam".

Numa referência às críticas da direita ao OE2018, Catarina Martins considerou ser "grave" que PSD e CDS-PP digam que este orçamento "responde a clientelas da esquerda".

"A mesma direita que baixou impostos sobre as maiores empresas do país, que fez negócios da China na energia, vistos Gold, chama servir clientelas a recuperar salários e pensões, chama clientelas a quem trabalha ou trabalhou toda uma vida", condenou.

Na resposta, o primeiro-ministro, António Costa, foi perentório: "não governamos para clientelas, governamos para o conjunto dos trabalhadores".

"Não governamos para os funcionários públicos, desconhecendo o que é preciso fazer no setor privado. Nós governamos para todos, independentemente da geração ou da profissão", assegurou.

Catarina Martins pediu ainda a António Costa uma "garantia dupla": que em 2017 o investimento e a despesa que estavam no orçamento sejam efetivamente executados e que o OE2018 tenha investimento que é mesmo para ser executado.

"No momento em que o Governo tem que responder pela tragédia dos fogos e pela responsabilidade de reconstruir o país é fundamental" esta garantia, concretizou.

Para a líder do BE, o "Governo tem que responder pelo investimento público e pelo funcionamento dos serviços públicos".

"O Governo tem executado menos do que é orçamentado para atingir metas de défice ainda mais baixas do que aquelas que estão acordadas com Bruxelas. Todos queremos contas públicas certas, mas reduzir o défice criando novos défices porque se fragilizam funções essenciais do Estado é um caminho perigoso", condenou.

Na intervenção, Catarina Martins recordou também as críticas feitas por PSD e CDS-PP de ausência de reformas neste OE2018.

"Esquecem-se PSD e CDS que de facto reforma no seu léxico significa apenas cortes nos salários e pensões. A direita pode torturar os números à vontade, mas o que estes dois comprovam é que é recuperando salários e pensões que a economia cresce e que se cria emprego", sublinhou, defendendo que se deixe "a direita entregue às suas crises" para passar para "questões complicadas deste OE2018".

Na resposta à intervenção da líder do BE, o primeiro-ministro evidenciou que Catarina Martins "chamou à atenção para a duplicidade do discurso da direita".

"Sempre que apresentamos uma proposta que beneficia a função pública, a direita diz que estamos a trabalhar para a nossa clientela. Cada vez que há uma categoria da função pública que protesta, a direita corre imediatamente a apoiar", apontou.

Porque o seu tempo é precioso.

Subscreva a newsletter do SAPO 24.

Porque as notícias não escolhem hora.

Ative as notificações do SAPO 24.

Saiba sempre do que se fala.

Siga o SAPO 24 nas redes sociais. Use a #SAPO24 nas suas publicações.