Comparando com o mês anterior, os pagamentos em atraso (dívidas por pagar há mais de 90 dias) caíram quatro milhões de euros, segundo a Direção-Geral do Orçamento (DGO).

Para a evolução homóloga contribuíram, sobretudo, os hospitais EPE (entidade pública empresarial), que registaram uma redução do valor em dívida de 504 milhões de euros, totalizando 520 milhões. Já relativamente a janeiro, registou-se uma diminuição de 10 milhões de euros.

Em comunicado, o Ministério das Finanças sublinha que os pagamentos em atraso nos hospitais públicos diminuíram “para valores próximos dos mínimos históricos”.

Segundo a síntese da DGO, os hospitais EPE continuam a revelar o maior valor em dívida, seguindo-se a administração regional (104 milhões de euros), a administração local (76 milhões), a administração central (19 milhões, excluindo o subsetor saúde), as empresas públicas reclassificadas (17 milhões) e o subsetor da saúde (2,0 milhões de euros).

O passivo não financeiro (nos quais se incluem os pagamentos em atraso) reduziu-se em 113 milhões de euros em fevereiro, para 2.020 milhões de euros.

Esta evolução ficou a dever-se à administração regional, que reduziu o passivo em 87 milhões de euros e à administração local (menos 66 milhões de euros). Por outro lado, na administração central registou-se um aumento em 40 milhões de euros.

Porque o seu tempo é precioso.

Subscreva a newsletter do SAPO 24.

Porque as notícias não escolhem hora.

Ative as notificações do SAPO 24.

Saiba sempre do que se fala.

Siga o SAPO 24 nas redes sociais. Use a #SAPO24 nas suas publicações.