“A alternativa que se oferece ao país e à população é um orçamento apresentado pelo PSD. Já vimos no ano passado qual era a visão, na hora da verdade, do PSD: cortes, congelamento do salário mínimo”, disse hoje no parlamento João Leão, durante a apreciação, na generalidade, da proposta do Governo para o OE2022.

Respondendo ao deputado do PS João Paulo Correia, João Leão reforçou que o PSD, no ano passado, “criticava o orçamento por dar tudo e a todos, por ser irrealista, por ter uma visão do Estado social que é de contenção e de corte”.

“Por esse mesmo motivo, pensamos que faz sentido que os partidos que não se reveem na visão da direita sobre como é que deve ser um bom orçamento para a economia e para as famílias, se devem procurar entender e procurar soluções e alternativas, num esforço de convergência entre as diferentes preocupações”, defendeu o governante no parlamento.

Referindo-se ao crescimento económico, João Leão recuperou as críticas do PSD de “falta de estratégia” enunciadas pelo deputado Duarte Pacheco.

“É um mito da direita a ideia de que Portugal não cresce e que só vai crescer temporariamente. Quem nos vê de fora acredita em nós, e quem faz a avaliação da economia portuguesa está a considerar e a prever que vamos ter um forte período de crescimento”, disse João Leão, baseando-se no recente aumento do ‘rating’ nacional por parte da Moody’s.

Duarte Pacheco tinha afirmado que um dos “três pecados mortais” do OE2022 proposto pelo Governo se prendia com ausência de estratégia, em particular sobre o crescimento económico.

“Aquilo que está aqui a propor, senhor ministro, não tem estratégia. O Governo limita-se a navegar à vista. Por isso mesmo é que a falta de apoios à criação de riqueza é tão evidente: não há uma única entidade patronal, uma única entidade empresarial, uma única entidade sindical, que se reveja neste diploma”, acusou Duarte Pacheco.

No entender do parlamentar social-democrata, não há “medidas concretas para reforço da competitividade da economia portuguesa” ou da “produtividade”, alertando que Portugal está a ser ultrapassado pelos parceiros da União Europeia.

A audição de hoje decorre numa altura em que o Governo ainda negoceia apoios entre os partidos da esquerda para viabilizar a aprovação na generalidade da proposta de OE2022, cuja votação decorrerá em 27 de outubro.

A proposta orçamental que o ministro João Leão entregou no parlamento, em 11 de outubro, aponta para um crescimento da economia portuguesa de 4,8% em 2021 e 5,5% no próximo ano.

No documento cuja apreciação na generalidade se inicia hoje — no dia 25 será ouvida a ministra do Trabalho, Solidariedade e Segurança Social – o executivo estima que o défice das contas públicas nacionais deverá ficar nos 4,3% do Produto Interno Bruto (PIB) em 2021 e descer para os 3,2% em 2022, prevendo também que a taxa de desemprego portuguesa recue para os 6,5% no próximo ano, “atingindo o valor mais baixo desde 2003”.

Já a dívida pública deverá atingir os 122,8% do PIB em 2022, face à estimativa de 126,9% para este ano.

Porque o seu tempo é precioso.

Subscreva a newsletter do SAPO 24.

Porque as notícias não escolhem hora.

Ative as notificações do SAPO 24.

Saiba sempre do que se fala.

Siga o SAPO 24 nas redes sociais. Use a #SAPO24 nas suas publicações.