Conforme um comunicado da empresa enviado hoje à Comissão Nacional do Mercado de Valores Mobiliários espanhola (CNMV), o lucro líquido ajustado, que mede especificamente o desempenho das empresas, nos primeiros seis meses do ano foi de 3.177 milhões, três vezes ou 231,3% mais do que no primeiro semestre de 2021 e do qual 56% provém do negócio internacional.

Além disso, a Repsol registou provisões para imparidade no valor contabilístico das refinarias do grupo, principalmente em Espanha, que representaram a maior parte das provisões no primeiro semestre, no valor de 1.844 milhões de euros.

A empresa justifica estas disposições pela instabilidade dos negócios na Europa e pela pressão regulamentar no continente, com medidas como a proibição da venda de automóveis com motores de combustão na UE a partir de 2035, que têm impacto na rentabilidade das suas refinarias a longo prazo.

O lucro bruto de exploração (EBITDA) foi de 8.019 milhões de euros no primeiro semestre do ano, mais do dobro (mais 120,6%) do que no mesmo período do ano passado, enquanto o EBITDA ajustado foi de 6.358 milhões de euros, o dobro (mais 114,8%).

A Repsol atingiu este lucro líquido de 2.539 milhões de euros no semestre após ter ganho 2.499 milhões de euros em 2021 e após acumular perdas de 7.100 milhões de euros em 2019 e 2020.

Aproximadamente metade do resultado líquido (1.206 milhões de euros) corresponde à avaliação contabilística dos inventários que a empresa armazena como reserva estratégica para Espanha e que aumentou no último trimestre para reforçar a capacidade de garantir o abastecimento.

A avaliação dos inventários quase triplicou em relação aos primeiros seis meses do ano anterior, devido ao aumento dos preços dos hidrocarbonetos. Por negócio, a área de Exploração e Produção, que desenvolve toda a sua atividade fora de Espanha, teve um resultado que foi mais do dobro (mais 147,5%) do que no primeiro semestre de 2021, tendo atingido 1.678 milhões de euros, mais de metade do lucro líquido total.

A área Industrial teve um resultado líquido ajustado de 1.393 milhões de euros, quase seis vezes mais do que no mesmo período do ano passado, quando foi de 239 milhões de euros, devido às margens de refinação mais elevadas e à dispersão dos destilados médios e da gasolina, impulsionadas pelas restrições resultantes da guerra na Ucrânia e ao encerramento da capacidade de refinação na Europa.

Isto contrasta com o resultado negativo de 612 milhões neste negócio em 2020 e 2021 devido à redução do consumo de combustível e ao colapso da margem de refinação.

A empresa investiu cerca de 1.000 milhões de euros por ano nas suas instalações de refinação, enquanto a capacidade estava a ser reduzida na Europa, o que permitirá a Espanha ter um fornecimento garantido de gasolina, gasóleo e parafina nos próximos meses, ao contrário, possivelmente, de outros países europeus, disse a Repsol.

A área Comercial e Renováveis registou um lucro líquido ajustado de 215 milhões de euros no primeiro semestre, menos 5,7% do que no mesmo período do ano anterior, afetado pelos descontos de combustível aplicados pela empresa em Espanha aos clientes, os quais, segundo a Repsol, têm vindo a corroer as margens comerciais.

A empresa colocou a poupança para os clientes no primeiro semestre do ano em 150 milhões de euros com os descontos que assumiu exclusivamente, o que significou que no segundo trimestre de 2022 o negócio da Mobilidade não teve lucro.

O negócio da Distribuição de Eletricidade e Gás, que foi afetado pelos preços da eletricidade em Espanha e pelos preços do gás, registou uma perda no primeiro semestre do ano, enquanto o negócio da Produção de Baixo Carbono continuou a melhorar devido à maior contribuição do ciclo combinado, das centrais hidrelétricas e dos novos projetos renováveis.

A dívida líquida do grupo no final do primeiro semestre era de 5.031 milhões de euros, menos 869 milhões do que no final do trimestre anterior, e a liquidez era de 9.380 milhões, o suficiente para cobrir 3,9 vezes os seus vencimentos de dívida a curto prazo.

Por outro lado, a Repsol comunicou a aprovação e início do programa de recompra de 50 milhões de ações Repsol, representando 3,44% do capital social, com um investimento máximo de 850 milhões de euros, e que decorrerá desde hoje até 31 de dezembro, se o número de ações ou o investimento estabelecido não seja atingido antes dessa data.

Porque o seu tempo é precioso.

Subscreva a newsletter do SAPO 24.

Porque as notícias não escolhem hora.

Ative as notificações do SAPO 24.

Saiba sempre do que se fala.

Siga o SAPO 24 nas redes sociais. Use a #SAPO24 nas suas publicações.