Em destaque está o grupo Triun, de Paulo Gaspar, filho do presidente da Lusiaves e que adquiriu, de acordo com um comunicado à Comissão do Mercado de Valores Mobiliários (CMVM), 20% da dona da TVI, com 16,9 milhões de ações, depois de um acordo com a espanhola Prisa, que vendeu uma posição de 64,47%.

Segue-se a sociedade Zenithodyssey, detida a 50% pela CIN, 18% pela Polopique e com o resto do capital divido por várias outras empresas e que adquiriu, de acordo com uma nota publicada pela CMVM, 16% da Media Capital (13,5 milhões de ações).

Já a sociedade Fitas e Essências, controlada por Stéphane Rodolphe Piccioto, da têxtil Confetil, adquiriu 3% da Media Capital, num total de 2,5 milhões de ações.

Segue-se a DoCasal Investimentos, da apresentadora Cristina Ferreira, que fica assim com uma posição de 2,5% no capital da dona da TVI, depois de comprar 2,1 milhões de ações.

Por fim, Manuel Lemos de Ferreira Lemos, gestor ligado à área hospitalar, em Mirandela, adquiriu 2% do capital do grupo (1,6 milhões de ações).

Estes acordos foram concluídos entre o final de agosto e o início deste mês, de acordo com os vários comunicados enviados à CMVM.

O conjunto de novos investidores junta-se a Mário Ferreira, empresário dono do grupo Douro Azul, que em meados de maio comprou 30,22% do capital da Media Capital por 10,5 milhões de euros.

Estes acionistas controlam perto de 44% da Media Capital, faltando saber quem comprou os restantes 20%.

A espanhola Prisa anunciou em 04 de setembro a venda da totalidade da sua posição na Media Capital por 36,85 milhões de euros, segundo informação que a empresa publicou na Comissão Nacional do Mercado de Valores (CNMV) de Madrid.

"Uma subsidiária integralmente participada da Prisa (Vertix) assinou hoje [04 de setembro] com vários investidores acordos independentes de compra e venda de ações da entidade cotizada portuguesa Grupo Media Capital SGPS, S.A, que no seu conjunto representam a totalidade da participação acionista (64,47%) detida pela Vertix na Media Capital", segundo a informação publicada.

A Prisa iniciou o processo de desinvestimento na Media Capital e reduziu a sua posição de 94,69% para 64,47% na dona da TVI em 14 de maio último, quando Mário Ferreira comprou 30,22%, através da Pluris Investments, numa operação de 10,5 milhões de euros.

Segundo comunicado publicado pela empresa multimédia espanhola, no mesmo dia, os acordos realizaram-se simultaneamente mediante "transmissões independentes em bloco das ações" por um preço total de 36,8 milhões de euros, o que "representa uma valorização implícita da empresa ("enterprise value") de 150 milhões de euros e um bónus de 63% em relação ao preço por ação oferecido pela Cofina na sua oferta pública voluntária sobre as ações da Media Capital", publicada no passado dia 12 de agosto.

De acordo com as estimativas da empresa espanhola, esta transação terá como resultado uma perda contabilística nas contas individuais e consolidadas da Prisa de aproximadamente 48,5 milhões de euros.

A Prisa recordou que a operação está condicionada à obtenção de um "waiver" (autorização) de determinados credores financeiros da Prisa, bem como a autorização das autoridades reguladoras portuguesas.

A Media Capital é detida em 64,47% pela Vertix SGPS (Prisa), tendo a Pluris Investments, do empresário Mário Ferreira, 30,22%.

O NCG Banco tem 5,05%, sendo que o capital disperso em bolsa ('free-float') é de 0,26%.

A Media Capital conta com seis canais de televisão e a plataforma digital TVI Player. Além da TVI, canal generalista em sinal aberto, conta com a TVI24, TVI Reality, TVI Ficção, TVI Internacional e TVI África.

Newsletter

As notí­cias não escolhem hora, mas o seu tempo é precioso. O SAPO 24 leva ao seu email a informação que realmente importa comentada pelos nossos cronistas.

Notificações

Porque as noticias não escolhem hora e o seu tempo é precioso.

Na sua rede favorita

Siga-nos na sua rede favorita.