Os resultados definitivos da sessão indicam que o índice seletivo Dow Jones Industrial Average recuou 0,30%, para os 26.891,12 pontos, enquanto o tecnológico Nasdaq perdeu 0,58%, para os 8.030,66.

Da mesma forma, o alargado S&P500 desvalorizou 0,24%, para as 2.977,62 unidades.

Em documento público divulgado hoje pelo Congresso, ficou a saber-se que a Casa Branca tinha tentado restringir o acesso às notas sobre um telefonema entre Donald Trump e o Presidente ucraniano, Volodymyr Zelensky.

Esta chamada, durante a qual o Presidente norte-americano solicitou a Zelensky que lançasse um inquérito sobre um rival político, o democrata Joe Biden, provocou a abertura de um processo de destituição na Câmara dos Representantes.

“Este documento parece mais inquietante do que leva a crer a transcrição parcial da chamada telefónica divulgada na quarta-feira pela Casa Branca”, sublinhou Karl Haeling, da LBBW.

“Os investidores, de repente, ficaram inquietos com o risco de destituição”, estimou este operador.

“Esta investigação vai distrair o Presidente (ou, ao contrário, absorvê-lo totalmente) a tal ponto que vai desviar a sua atenção da negociação comercial com a China? Vai obrigá-lo a chegar a um acordo, com base no princípio de que isso o vai ajudar a reforçar o mercado acionista e o seu estatuto político? A China vai abster-se de assinar um acordo, antecipando uma mudança política em 2020?”, questionou, por seu lado, Patrick O’Hare, da Briefing.

A praça nova-iorquina também reagiu às informações da comunicação social que davam conta da probabilidade de o Governo norte-americano não prolongar o prazo concedido às empresas dos EUA para venderem equipamentos ao conglomerado chinês de comunicações Huawei, que Washington suspeita de espionagem em benefício de Pequim.

“Isto reavivou os temores de que as tensões comerciais entre os EUA e a China vão regressar em força”, acrescentou Haeling.

Na quarta-feira, Wall Street tinha acabado em alta depois de afirmações de Trump a prometer um acordo comercial com a China “mais depressa do que se pensa”.

Porque o seu tempo é precioso.

Subscreva a newsletter do SAPO 24.

Porque as notícias não escolhem hora.

Ative as notificações do SAPO 24.

Saiba sempre do que se fala.

Siga o SAPO 24 nas redes sociais. Use a #SAPO24 nas suas publicações.