1. A fronteira Brasil-França

Uma pessoa está no Brasil e quer ir a França. O que fazer? Bem, comprar um bilhete de avião é uma possibilidade. Outra será ir de carro até ao estado de Amapá, lá bem no Norte, e procurar a ponte sobre o Rio Oiapoque.

A ponte tem o curioso nome de Ponte Transfronteiriça Brasil-França.

Será brincadeira? Há mesmo uma fronteira entre o Brasil e a França?

Se atravessarmos a ponte, encontramos a famosa placa com as doze estrelas e a palavra "FRANCE" lá no meio. Estamos a entrar na União Europeia sem sair da América do Sul...

Estamos a entrar na Guiana Francesa, que foi integrada na França nos anos 40. Os habitantes são cidadãos europeus e votam nas eleições francesas e europeias.

Aliás, a resposta à pergunta “Qual é o país que tem a maior fronteira com a França?” é mesmo o Brasil. A Espanha vem em segundo lugar.

2. Usar o euro na América do Sul

A França leva tão a sério a integração daquela região que as placas da estrada, da entrada no país aos nomes dos rios, têm a mesma forma e usam o mesmo tipo de letra que em qualquer estrada francesa na Europa.

Como é um território europeu muito próximo do Equador, é também ali que a Agência Espacial Europeia lança os seus foguetões, no Centro Espacial de Kourou.

A moeda da região é também, inevitavelmente, o euro. Aliás, se olharmos com atenção para as nossas notas, lá está aquele pedaço de França perdido na América do Sul.

Legalmente, aquele território faz tão parte da França como Bordéus, a Normandia — ou Paris. Esta peculiar situação tresanda a truque para fugir com o rabo à seringa da descolonização, mas juridicamente a Guiana Francesa é isso mesmo: francesa.

3. As línguas desta França

Se pensarmos nas línguas, adivinhamos que o francês — como acontece em todo o território da República Francesa — é a única língua oficial.

Existem, no entanto, outras línguas: temos o crioulo da Guiana Francesa, uma das várias línguas crioulas daquela região do mundo, temos várias línguas ameríndias, que já por lá se falavam antes de chegarem os europeus e as suas fronteiras, e temos ainda o crioulo maroon, língua criada por antigos escravos que se revoltaram e criaram as suas próprias comunidades livres.

Como acontece em todo o mundo, as línguas mostram o que as fronteiras escondem.

Marco Neves | Professor e tradutor. Escreve sobre línguas e outras viagens na página Certas PalavrasO seu livro mais recente é Português de A a Z.

Porque o seu tempo é precioso.

Subscreva a newsletter do SAPO 24.

Porque as notícias não escolhem hora.

Ative as notificações do SAPO 24.

Saiba sempre do que se fala.

Siga o SAPO 24 nas redes sociais. Use a #SAPO24 nas suas publicações.