A polémica desta semana é, até que enfim, sobre design de moda. A Autoridade Nacional de Proteção Civil entregou no último ano uma série de kits de socorro que não socorrem. Parece que contêm golas anti-fumo que afinal só se opõem moderadamente ao fumo. O ministério da Administração Interna abriu um inquérito urgente (mesmo na vossa cara, fãs de inquéritos de extrema morosidade).

Sinceramente, ninguém estava à espera de que um kit de socorro pudesse, de facto, socorrer. A maior parte dos kits são maus. Algum dos leitores tem um kit mãos-livres que não se tenha estragado ao fim de seus meses? Kits são soluções para quem não se quer estar a maçar com a qualidade dos produtos. É o que se dava às crianças no fim das festas de anos. Um saquinho com uma goma urso, um marshmallow, um chupa, uma pastilha Melão, mas todos da pior qualidade do mercado.

É possível que tenha sido um exagero encomendar 70 000 golas anti-fumo se elas, afinal de contas, não são assim tão opositoras do fumo. É possível que o governo seja contra os extremismos e por isso não queira ter levado o “anti” assim tão longe. O fumo já nos deu muitas alegrias, desde a eleição do Papa ao presunto pata negra. Para quê então patentear nas golas um injustificado ódio ao fumo?

Já chegámos ao fim da curva da polémica, porque já se apresentaram demissões. O adjunto do secretário de Estado da Proteção Civil, Francisco José Ferreira, que terá recomendado as duas empresas que fabricaram os kits e as golas, demitiu-se. Não há nenhum problema em ser padeiro. Até deve ser das profissões estatisticamente com melhores níveis de honestidade das que compõem o parlamento e o governo. Toda a gente já mandou entregar alguma encomenda na padaria, dificilmente o mesmo aconteceria na firma de advogados do bairro. Agora, o estereótipo diz-nos que os padeiros se deitam frequentemente com mulheres alheias. Não tardaria até se sucumbirem à promiscuidade na política.

Já Eduardo Cabrita, que tem uma conhecida tara com microfones (seria mais justificado que a tivesse com golas, há pessoas que ficam muito elegantes quando as envergam), deu um tapa no microfone de um jornalista e disse que também se tratava de material inflamável. Sim, tem razão. Mas é mais inflamável para quem se quer queimar sozinho.

Recomendações

Este documentário.

Newsletter

As notí­cias não escolhem hora, mas o seu tempo é precioso. O SAPO 24 leva ao seu email a informação que realmente importa comentada pelos nossos cronistas.

Notificações

Porque as noticias não escolhem hora e o seu tempo é precioso.

Na sua rede favorita

Siga-nos na sua rede favorita.