Acácia, como é a sua relação com o deputado do Chega, André Ventura?

Olhe, digo-lhe isto sem qualquer tipo de medo de represálias, é uma relação tóxica. Tirem-me das mãos dele. O homem tem um amor por leporídeos que eu não diria que ele tem por nenhum humano. É uma fixação. Posso aqui adiantar que já tentei fugir. Uma vez fomos passear à Tapada de Mafra e eu comecei a correr. Só que como passo muito tempo em casa, não tenho a desenvoltura que devia ter na qualidade de coelha. O André apanhou-me.

Mas é uma relação violenta?

Não, não. É uma relação de excessivo carinho. Há esta ideia errada de que os coelhos são fofinhos, que foi transmitida durante décadas através de filmes de animação - e antes disso pelas fábulas. Mas eu não nasci para ser apertada e beijada. Repare, eu desejo é perfurar buracos no subsolo. Não me apraz ser acarinhada constantemente por este palerma.

André Ventura comprou-a há sete anos, já está com ele há bastante tempo.

Bastante tempo? Isso é mesmo eufemismo típico de humanos. Eu estou com ele desde sempre. Nunca conheci outra realidade. Note que os coelhos vivem no máximo até aos dez anos. Eu vou fazer oito e não aguento mais. Se amanhã um Ford Fiesta me passasse por cima, eu não me importava. Fala-se muito da eutanásia… eu, na verdade, tenho pensado muito no suicídio assistido para mim própria.

Através de barbitúrico, como se tem falado?

Não, através de coelho à caçador. Nós os coelhos temos este sentimento de propósito. Os humanos por vezes doam os seus órgãos para a medicina, nós cedemos o nosso corpo ao prato do dia de uma tasca de Marvila.

É verdade que assiste sempre às intervenções de André Ventura na televisão?

É mentira. Eu quase não vejo televisão. Sou mais de ler, gosto muito do Lewis Carrol. Apesar de, em Alice no País das Maravilhas, ter propagado o estereótipo de que os coelhos chegam sempre atrasados. Cinema também consumo, vi aquele do Jojo Rabbit, mas fugiu muito ao tema. Quanto ao André, vi uma ou duas vezes e ia bolsando alfafa.

Não concorda com as suas posições políticas?

Quais posições? Ele muda de posição como quem muda de feno favorito. Não se esqueça que eu já estava aqui quando ele entregou a tese. Até cheguei a comer um bocado da folha de rosto. Concordava com grande parte do que ele escrevia. Agora não. Digo-lhe aqui que fiz cocó em cima do programa do Chega. Sabe que eu produzo muito cocó. Sinto-me é ameaçada por partilhar habitação com alguém que produz ainda mais fezes.

Qual é a sua posição sobre o caso Marega?

Olhe, é muito simples. Nós, na comunidade roedora, racistas é à paulada. Costumamos ter muitos problemas. Quem sofre mais são as lebres, são vistas como selvagens, nómadas, sem regras. Também há um grande problema com os porquinhos das Índias, por causa das culturas diferentes. Há também a ideia de que o furão é um roedor que pratica a criminalidade, mas as estatísticas mostram-nos o contrário. A verdade é que há uma certa elite de chinchilas que lucra desta divisão e que ignora que temos um problema de racismo. Como coelha branca, só tenho de assumir o meu privilégio.

Obrigado, Acácia. Tem aqui uma cenoura.

Isso é racismo.

Recomendações

Última temporada de Homeland.

Newsletter

As notí­cias não escolhem hora, mas o seu tempo é precioso. O SAPO 24 leva ao seu email a informação que realmente importa comentada pelos nossos cronistas.

Notificações

Porque as noticias não escolhem hora e o seu tempo é precioso.

Na sua rede favorita

Siga-nos na sua rede favorita.