O diário, que cita fontes ligadas ao processo, sublinha que a decisão foi tomada na semana passada pelo presidente executivo da tecnológica, Sundar Pichai, mas não foi ainda tornada pública.

Esta decisão afeta cerca de 200.000 empregados da Google e da Alphabet, 'holding' que detém a tecnológica, e prevê um calendário mais prolongado para o regresso ao escritório do que tem sido decidido até agora pelas grandes empresas do setor.

Por exemplo, a Apple e o Facebook contam que o regresso seja feito em janeiro, enquanto a Microsoft afirmou que tal poderá começar a acontecer já este outono.

A rede social Twitter anunciou que, devido à pandemia de covid-19, os trabalhadores que assim o desejem podem continuar em teletrabalho de forma permanente.

Até agora, a Google tinha previsto o regresso aos escritórios a partir de janeiro de 2021.

A decisão afeta os principais escritórios da multinacional, o que inclui o central em Mountain View (Califórnia) e os que tem em outros pontos nos Estados Unidos, Reino Unido, Índia ou Brasil.

A Google reabriu parcialmente escritórios mais pequenos em países que foram menos afetados pela pandemia como Austrália, Grécia ou Tailândia.

De acordo com o The Wall Street Journal, na decisão de Pichai pesou, entre outras coisas, a incerteza sobre como irão funcionar as escolhas nos Estados Unidos e as implicações para os empregados com filhos.

Newsletter

As notí­cias não escolhem hora, mas o seu tempo é precioso. O SAPO 24 leva ao seu email a informação que realmente importa comentada pelos nossos cronistas.

Notificações

Porque as noticias não escolhem hora e o seu tempo é precioso.

Na sua rede favorita

Siga-nos na sua rede favorita.