O projeto, coordenado por Rosalina Pisco Costa, pró-reitora da Universidade de Évora (UÉ) e investigadora do CICS.NOVA - Centro Interdisciplinar de Ciências Sociais, é um dos 16 projetos financiados pela Fundação Para a Ciência e Tecnologia (FCT) para estudar impactos de género no âmbito da pandemia de covid-19, de entre 145 candidaturas.

A investigação é designada #Unstereotyped - "Análise, avaliação e deteção automática de linguagem estereotipada na comunicação pública de prevenção e combate à covid-19”, revelou hoje a academia alentejana, em comunicado enviado à agência Lusa.

“O objetivo passa por utilizar a inteligência artificial para preparar uma ferramenta ‘web’ original e inovadora capaz de detetar automaticamente linguagem estereotipada e sugerir alternativas ajustadas à comunicação em saúde pública”, adiantaram os promotores.

Segundo a UÉ, os investigadores envolvidos no projeto vão analisar os materiais de divulgação produzidos pela Direção-Geral da Saúde (DGS), assim como os planos de contingência das instituições de ensino superior públicas portuguesas e conteúdos informativos da RTP durante o período pandémico.

Esta análise pretende “avaliar a existência de linguagem escrita e oral que (re)produza estereótipos de género”, acrescentou a academia.

“Com base em metodologias de inteligência artificial, a ideia passa por construir uma ferramenta ‘web’ capaz de detetar automaticamente linguagem estereotipada e sugerir alternativas ajustadas à comunicação em saúde pública”, insistiu.

A coordenadora realçou a importância deste projeto no “reconhecimento de linguagem sexista e estereótipos de género”, pelo que, esta nova abordagem desenvolvida pela UÉ, “deverá ser capaz de sugerir alterações ajustadas a uma linguagem inclusiva e sensível ao género”.

A ferramenta será, assim, “passível de utilização no contexto mais amplo da comunicação em saúde pública de emergência”, nomeadamente em situações de “pandemia, catástrofes naturais, guerra e conflitos de índole diversa”, vincou Rosalina Pisco Costa.

“O projeto junta às ciências sociais, particularmente, a sociologia do género, a informática, linguística, saúde, design, comunicação e divulgação científica e apoia-se num desenho misto que combina técnicas clássicas de análise de conteúdo e do discurso e técnicas avançadas de Processamento de Linguagem Natural (PLN)”, referiu a UÉ.

Os investigadores vão também recorrer à análise assistida por computador e, para o processamento de Língua Natural, utilizarão “uma análise sintática das frases, conjugada com o uso de regras simbólicas identificadoras de situações de estereótipos de género”.

“Vão ser ainda avaliadas técnicas de aprendizagem automática que, com base em modelos da Língua Portuguesa, permitam classificar automaticamente diversas frases”, acrescentou.

No final, está previsto o lançamento de um Guia de Boas Práticas em linguagem inclusiva e sensível ao género, orientado para a comunicação em saúde pública de emergência, a disponibilizar publicamente em formato digital e interativo.

Newsletter

As notí­cias não escolhem hora, mas o seu tempo é precioso. O SAPO 24 leva ao seu email a informação que realmente importa comentada pelos nossos cronistas.

Notificações

Porque as noticias não escolhem hora e o seu tempo é precioso.

Na sua rede favorita

Siga-nos na sua rede favorita.