A China recebeu a quarta edição da World Robot Conference, onde marcaram presença 160 empresas. A uni-las esteve uma ideia: cada vez mais as tecnologias permitem que máquinas venham a desempenhar tarefas humanas — mas sem substituir as pessoas.

Entre os exemplos mostrados, vários deixam já adivinhar um futuro simplificado pelas máquinas ou apenas uma realidade diferente: um braço articulado capaz de escrever, um robô que toca tambor, um peixe mecânico que dá voltas ao aquário e até uma espécie de morcego de metal que levanta voo.

Mas as funções dos robôs apresentados não ficam por aqui. A empresa Inbot apresentou, este ano, máquinas capazes de exercer as funções de professor, de vendedor e também existem robôs miniatura que jogam futebol. Contudo, as atenções concentraram-se nos combates, onde guerreiros se enfrentam no ringue. São uma espécie de tanques em miniatura, que circulam rapidamente e de lâminas afiadas em riste, fazendo barulho quando chocam entre si.

"A personalidade do meu robô reflete a minha! E eu adoro as faíscas...", afirma à AFP Huang Hongsong, um dos jovens chineses com máquinas em competição.

Contudo, a robótica ultrapassa o aspeto lúdico e a China pretende afirmar-se no campo industrial, onde trava uma “guerra tecnológica” com os Estados Unidos. Com isto, a China pode continuar a crescer: dada a população envelhecida e a escassez de mão de obra, a automatização das fábricas pode contribuir para o desenvolvimento industrial do país.

A China já é o primeiro mercado no que toca a robôs industriais, com 141 mil unidades vendidas no ano passado e um terço da procura mundial, segundo a Federação Internacional de Robótica, valor que pode crescer 20% em 2020.

"O potencial de automatização é imenso: em 2016, a China tinha 68 robôs para cada 10.000 empregados, quatro vezes menos que no Japão ou na Alemanha", explica Karel Eloot, especialista do gabinete McKinsey na Ásia.

Fora das fábricas, a robótica também já marca a China em restaurantes, bancos e no setor médico. Mas não se pense que o objetivo é substituir pessoas: é sim, ajudá-las. Por isso, a empresa chinesa iFlytek tem um "robô assistente médico", capaz de fazer perguntas a um paciente e identificar 150 doenças, ajudando assim nos diagnósticos. Mais uma vez, uma das vantagens é levar ajuda a médicos em regiões mais isoladas do país. Outra das ideias da empresa é um “robô jurista”, que auxilia os juízes a determinar o veredito em pleno tribunal.


The Next Big Idea é um site de inovação e empreendedorismo, com a mais completa base de dados de startups e incubadoras do país. Aqui encontra as histórias e os protagonistas que contam como estamos a mudar o presente e a inventar o que vai ser o futuro. Veja todas as histórias em www.thenextbigidea.pt

Newsletter

As notí­cias não escolhem hora, mas o seu tempo é precioso. O SAPO 24 leva ao seu email a informação que realmente importa comentada pelos nossos cronistas.

Notificações

Porque as noticias não escolhem hora e o seu tempo é precioso.

Na sua rede favorita

Siga-nos na sua rede favorita.

Um artigo do parceiro

The Next Big Idea é um site de inovação e empreendedorismo, com a mais completa base de dados de startups e incubadoras do país. Aqui encontra as histórias e os protagonistas que contam como estamos a mudar o presente e a inventar o que vai ser o futuro. Veja todas as histórias em www.thenextbigidea.pt