O AC Sport Car, produzido de forma artesanal na oficina A. Cação Automóveis entre 1982 e 1988, é um desportivo de dois lugares com mecânica e chassis da Volkswagen e uma carroçaria em fibra de vidro que vai buscar inspiração a modelos britânicos, alemães e italianos.

“Já andava a procurar um carro destes há uns dois ou três anos, por ser da Figueira da Foz. Sou do tempo em que estes carros se faziam, assisti à montagem de alguns e fiquei com o ‘bichinho’ de um dia ter um”, disse à agência Lusa António Seco, o mais recente proprietário de um AC Sport Car.

O modelo que António Seco comprou ao proprietário original, residente em Cantanhede, é de cor vermelha – uma das três originais, junto com o branco e preto -, foi produzido em 1983, há 35 anos, tem pouco mais de nove mil quilómetros e está “em bom estado”.

“Ultimamente só fazia 40 quilómetros por ano. Quando passo com ele na rua as pessoas ficam pasmadas, espantadas, porque não se identifica a marca, parece um carro italiano”, observou.

O empresário define o AC Sport Car como uma mistura de nacionalidades – a frente faz lembrar um britânico Lotus Esprit dos anos 70, as portas abrem para cima e são inspiradas nas “asas de gaivota” do alemão Mercedes 300 SL e a lateral tem ares do italiano Lancia Stratos – e destaca-lhe o conforto e a facilidade de condução.

“Não dá para andar muito, é levezinho, o chassis é de 1960. Mas é bastante seguro, tem uma caixa [de velocidades] espetacular e uma condução e conforto bastante acima do que eu estava à espera”, frisou António Seco, notando que o carro – com estofos em couro branco e acabamentos cuidados – é “algo elitista” e “foi feito para pessoas com bastante poder financeiro”.

Luís Cação, 79 anos, dono da oficina fundada pelo pai Artur, é um dos autores do projeto AC Sport Car, realizado a meias com o primo António, já falecido. A ideia surgiu-lhes em 1980, de visita a uma feira automóvel em Inglaterra, onde viram “coisas parecidas a partir de mecânicas Volkswagen”, contactaram com um construtor automóvel britânico que fazia viaturas para serem usadas em filmes de ação, tiraram fotografias, registaram ideias e decidiram-se pela produção do desportivo em Portugal.

Regressados à Figueira da Foz, com a ajuda de um construtor de embarcações que tinha uma fábrica em Vila Franca de Xira, foi construída uma maquete, depois vários moldes e uma carroçaria, a primeira. A fábrica de barcos haveria de fechar, o projeto transitou para Coimbra e a “série de peripécias negativas, com grandes perdas de dinheiro” continuou, com recusas de financiamento bancário “para uma coisa supérflua” (a construção artesanal de carros) e um incêndio que destruiu os moldes originais.

Através da primeira carroçaria fizeram-se novos moldes e o primeiro AC Sport Car ficou pronto em 1981, iniciando-se a produção para venda um ano mais tarde, com carroçarias feitas em Coimbra e acabadas na oficina da Figueira da Foz, onde o veículo era montado.

Os empresários tinham pensado comprar os chassis e a mecânica em estado novo à Volkswagen, mas a burocracia nacional da altura travou-lhes as intenções: “Importar mecânicas novas não havia problema, mas depois legalizá-la com o nosso projeto era muito complicado”, recorda.

A solução foi optar por dois sistemas, um dos quais o potencial cliente entregava um Volkswagen, como o Carocha, à oficina, que lhe aproveitava o chassis e componentes mecânicos e montava a nova carroçaria.

No segundo sistema, o carro era construído de raiz, mas com chassis existentes e matriculados, previamente adquiridos pelos donos da A. Cação.

Da ficha de especificações técnicas constam quatro motorizações (de 1.2 a 1.6 a gasolina, de 34 a 50 cv), motor de quatro tempos arrefecido a ar “com sistema automático de arranque que garante arranque imediato em dias frios”, caixa de quatro velocidades e tração traseira, para além de uma vasta lista de equipamentos de série e outra de extras.

“Não era acessível a todas as bolsas”, reconhece Luís Cação, explicando que uma construção de raiz ficava em mais de 700 contos nos anos 1980, “o que era muito dinheiro”.

E recorda um episódio curioso, do dono de um carro “que era meio despassarado e o estampou” no dia em que o comprou e que, regressado à oficina, pediu aos mecânicos que lhe “encolhessem” a viatura 30 centímetros na largura “para que o pudesse meter na garagem, o que obviamente era impossível. Teve de alargar o portão”, brinca Luís Cação.

Na antiga oficina, Luís Cação guarda um exemplar, de cor branca, do AC Sport Car, “o último a ser completado, em 1988″ e um outro, inacabado, sem pintura.

O projeto acabou há precisamente 30 anos – com 16 exemplares vendidos, todos para fora da Figueira da Foz – devido à doença do filho de Luís, que esgotou recursos financeiros e também porque o projeto “precisava de um fundo de maneio muito grande” que os sócios não tinham capacidade para aguentar.

Luís Cação teme que com o tempo o “único e legítimo representante da Figueira na produção automóvel” acabe por cair no esquecimento, coisa que António Seco, o mais recente proprietário do AC Sport Car, pretende contrariar.

“Sinto que tenho comigo uma parte da Figueira da Foz. É uma peça que se deve manter, para Portugal ver o que se fez por cá”, argumentou.

Newsletter

As notí­cias não escolhem hora, mas o seu tempo é precioso. O SAPO 24 leva ao seu email a informação que realmente importa comentada pelos nossos cronistas.

Notificações

Porque as noticias não escolhem hora e o seu tempo é precioso.

Na sua rede favorita

Siga-nos na sua rede favorita.