Livro: "A Insustentável Leveza do Ser"

Autor: Milan Kundera

Convidada: Patrícia Reis, escritora

Moderadora: Elisa Baltazar, anfitriã do "É Desta Que Leio Isto"

Data: 28 de janeiro de 2021

Ouça aqui a conversa sobre o livro "A Insustentável Leveza do Ser":

Não conseguiu estar presente na última sessão do É Desta Que Leio Isto? Este artigo resume a conversa sobre o livro "A Insustentável Leveza do Ser". A escritora Patrícia Reis juntou-se ao clube de leitura, num debate moderado pela anfitriã e promotora Elisa Baltazar.

Em fevereiro, falamos de amor "com ela"

O encontro do mês de fevereiro do É Desta Que Leio Isto será dedicado ao amor e terá como convidada especial a radialista, cronista e escritora Inês Meneses. Para a conversa, a autora do livro Caderno de Encargos Sentimentais e anfitriã do programa Fala Com Ela sugere duas obras: A Única História, de Julian Barnes, e O Ano do Pensamento Mágico, de Joan Didion.

Garanta já o seu lugar no encontro através deste formulário de inscrição e participe na discussão sobre os dois livros sugeridos, o amor e muito mais. E fique a par de tudo o que acontece no clube de leitura através deste link.

Sobre o autor – Milan Kundera:

  • Nasceu no Dia das Mentiras (1 de abril) de 1929 em Brno, antiga Checoslováquia (atual República Checa)
  • Estudou música, literatura, estética e cinema
  • Foi expulso do Partido Comunista sob a alçada da União Soviética por "atividades anti-partidárias" por duas vezes: em 1950 e em 1970.
  • Esteve envolvido na Primavera de Praga de 1968
  • Exilou-se em França em 1975.
  • A crítica ao Partido Comunista é visível em vários dos seus romances.
  • Em 2019, recuperou a nacionalidade checa, depois de o embaixador checo lhe pedir desculpa pelas perseguições de que foi alvo em nome do Governo.
  • Para além de romances, já escreveu contos, ensaios, peças de teatro e poesia.
  • Venceu o prémio Common Wealth Award de Literatura (1981) e o Prémio Jerusalém (1985).

Sobre o livro – "A Insustentável Leveza do Ser":

  • A obra foi lançada em 1984.
  • A narrativa tem como pano de fundo os acontecimentos da Primavera de Praga de 1968.
  • O livro conta a história de um quarteto amoroso: Tomas, Tereza, Sabina e Franz.
  • Tomas é apaixonado por Tereza, embora lhe seja infiel. Sabina é a amante de Tomas e de Franz.
  • A questão do peso e da leveza é representada como as duas faces do compromisso e da liberdade, e as dúvidas existenciais das personagens associadas a isso.
  • Os temas centrais da narrativa são as peripécias amorosas e os jogos de erotismo entre as personagens, bem como a política, tema paralelo à história de amor e com duras críticas ao comunismo soviético.
  • Este livro esteve proibido na República Checa, e só teve a primeira versão em checo em 2006.
  • "A Insustentável Leveza do Ser" foi adaptada para filme, em 1988, e, desde então, Kundera nunca mais autorizou a adaptação cinematográfica dos seus romances.

"Um pendor filosófico muito grande"

  • A frase é utilizada por Patrícia Reis e descreve uma das características mais marcantes da obra.
  • A escritora considera que o autor "tem uma voz e a voz", sendo que a voz de Kundera a "encanta" por obrigar o leitor "a pensar e é isso que a literatura deve fazer: duvidar de nós próprios".
  • Patrícia Reis refere ainda que, embora não seja "uma livro fácil", "A Insustentável Leveza do Ser" é um romance "extraordinário e atual", que nos leva a ter "um encontro connosco próprios" e perguntar "o que é que queremos enquanto sociedade".
  • A escritora já leu livro várias vezes e recorda: "quando eu li esta livro pela primeira vez foi um estalo".

A dicotomia do peso e da leveza:

  • O título da obra leva os leitores a questionar sobre o que é que é leve e o que é que é pesado.
  • As referências a esta dicotomia no livro são constantes, mas a interpretação pode depender da perspetiva de cada um.
  • No entender da escritora Patrícia Reis, "umas das coisas bonitas" do livro é o facto de Tomas "se surpreender com o facto de acordar de mão dada com a Tereza", sendo que "para ele é um peso, quando [na verdade] é um gesto de uma profunda leveza".

"O sorriso de Karenine"

  • Este é o título da última parte de "A Insustentável Leveza do Ser" e fala sobre a morte da cadelinha de Tereza e Tomas, que acaba por ser eutanasiada pelos donos.
  • Este excerto da obra debate questões como a eutanásia, mas também o respeito pelos animais, a relação do ser humano com a natureza, e o amor verdadeiro, incondicional e desinteressado.
  • Para a escritora Patrícia Reis, esta passagem toca na "questão subjacente ao romance que é a morte". "O cão faz a ponte" e é o "entendimento de que as personagens estão juntas para entrar numa potencial velhice", apesar de acabarem por morrer numa acidente viação.

Um cunho político

  • Patrícia Reis destacou a evidência do "caráter político" que representa este livro passado durante a Primavera de Praga.
  • Segundo a escritora, Kundera escreve "sobre as amarras do comunismo".
  • Patrícia Reis destaca ainda a história da personagem Tomas, um médico impedido de exercer por motivos políticos e traça um paralelismo com a vida de Kundera, que, depois de ser expulso do Partido Comunista duas vezes, acabou por se exilar em França.

"Até que ponto é que o livro de reflete a vida do autor?"

  • Esta foi uma das questões colocadas durante o debate sobre a "Insustentável Leveza do Ser", no sentido de perceber se a história refletia certos aspetos da própria vida de Kundera.
  • Patrícia Reis lembra uma frase de Virgílio Ferreira para ilustrar esta situação: "Um romance é um biombo atrás do qual a gente se despe".
  • A escritora defende que "os livros nunca são autobiográficos, mas somos nós" e que "a grande literatura é feita por pessoas que escrevem o que sentiram".
  • Patrícia Reis afirma ainda que os seus livros "são um reflexo" do que é, mas que "vive bem com isso".

Outros livros falados durante sessão:

  • Apneia – Tânia Gaia
  • O Infinito num Junco - Irene Vallejo
  • As Luzes de Leonor - Maria Teresa Horta
  • Eu Receberia as Piores Notícias dos Teus Lindos Lábios – Marçal Aquino
  • Até o Dia que o Cão Morreu – Galera Daniel
  • Nu de Botas – António Prata
  • Os Maias – Eça de Queiroz
  • Livros de poesia da Filipa Leal
  • Livros de contos da Clarice Lispector

"Da Meia-Noite às Seis"

  • A escritora, que se considera "sobretudo uma leitora" acabou há pouco tempo de escrever o seu novo livro, ainda sem data de lançamento devido à pandemia.
  • O título "Da Meia-Noite às Seis" está relacionado com o horário noturno de uma locutora numa rádio, cenário onde se desenrola a ação.
  • Conta a história de dois colegas de trabalham neste turn: a locutora, uma viúva, que não teve tempo suficiente para se dar ao seu recente amor, e o seu colega, que, manda as notícias, que, depois de ser renegado pela família por ser homossexual, decide deixar de falar, um verdadeiro desafio para quem dá notícias numa rádio.
  • Este livro foi escrito durante o confinamento devido à COVID-19 e passa-se durante o período pandémico.
  • A autora Patrícia Reis conta: "este foi o primeiro livro que escreveu de fio a pavio de rajada".

Porque o seu tempo é precioso.

Subscreva a newsletter do SAPO 24.

Porque as notícias não escolhem hora.

Ative as notificações do SAPO 24.

Saiba sempre do que se fala.

Siga o SAPO 24 nas redes sociais. Use a #SAPO24 nas suas publicações.