Considerada uma das obras mais importantes da literatura latino-americana, “Cem Anos de Solidão” marcou um estilo (realismo mágico) e quem o leu.

Publicado em 1967, conta a história da família Buendía-Iguarán “com os seus milagres, fantasias, obsessões, tragédias, incestos, adultérios, rebeldias, descobertas e condenações [que] são a representação ao mesmo tempo do mito e da história, da tragédia e do amor do mundo inteiro”.

Bruno Vieira Amaral, escritor vencedor do Prémio Literário José Saramago, em 2015, com o seu primeiro romance, “As Primeiras Coisas” (2013), é o convidado desta edição.

Numa breve conversa, em estilo de antevisão, o autor, que este ano editou “Uma Ida ao Motel”, lembrou o caráter intemporal de “Cem Anos de Solidão”, que inclui no top 10 de livros da sua vida.

Bruno Vieira Amaral destacou ainda a facilidade na leitura desta obra. E se é dos que leram o livro com uma folha onde acompanhou as páginas com as ligações da família, o autor português deixa o reparo: "Se o escritor quisesse o livro com uma árvore genealógica tê-la-ia feito".

Pode inscrever-se no encontro desta quinta-feira, 27 de agosto, através deste formulário. Receberá, depois, um e-mail com todas as indicações para se juntar à conversa. Até lá, e para ir 'aguçando' o apetite, pode juntar-se ao nosso grupo de discussão literária no Facebook.

É desta que lê "Cem Anos de Solidão"?

Newsletter

As notí­cias não escolhem hora, mas o seu tempo é precioso. O SAPO 24 leva ao seu email a informação que realmente importa comentada pelos nossos cronistas.

Notificações

Porque as noticias não escolhem hora e o seu tempo é precioso.

Na sua rede favorita

Siga-nos na sua rede favorita.