A oitava edição da Comic Con Portugal decorrerá de quinta-feira a domingo no Parque das Nações, num recinto que inclui a Altice Arena e espaços envolventes, com uma área de 115.000 metros quadrados, para acolher oito auditórios e vários espaços dedicados à divulgação de conteúdos de entretenimento, cinema, televisão, ‘cosplay’, videojogos ou literatura.

Em conferência de imprensa, hoje em Lisboa, para apresentar a programação, o diretor da Comic Con Portugal, Paulo Cardoso, disse que a atual localização é “o melhor de dois mundos”, por incluir espaços exteriores e interiores, e que este ano não haverá restrições de circulação por causa da pandemia da covid-19.

No final da apresentação, questionado pela agência Lusa, Paulo Cardoso escusou-se a revelar quantos bilhetes foram já vendidos para a Comic Con, referindo que a expectativa é que a convenção atinja os valores de visitantes de 2019, quando se registaram 140.589 entradas.

Este ano, entre os mais de 370 convidados estão nomes como o ator Sean McGuire, da série “Once Upon a Time”, a atriz Dafne Keen e o ator Amir Wilson, que protagonizam a série “Mundos Paralelos”, ou Zackary Levi, do filme “Shazam!”, assim como os autores Paco Roca, Wes Craig, António Jorge Gonçalves, João Tordo e Paula Hawkins.

Nestes eventos, os artistas convidados participam em apresentações públicas dos seus trabalhos, geralmente também estão disponíveis para sessões de autógrafos, sessões fotográficas com espectadores e entrevistas promocionais.

Na apresentação, Paulo Cardoso lembrou que a Comic Con existe para dar visibilidade “a produtos da cultura pop” e que depende das parcerias que a organização faz com as empresas deste “negócio multimilionário”.

Nesta edição da Comic Con estão presentes, por exemplo, a plataforma HBO, a NOS Audiovisuais, os canais AMC, AXN, SYFY ou a Paramount Pictures.

Da produção nacional, sabe-se que haverá apresentações e painéis dedicados, por exemplo, à serie “Santiago”, da plataforma Opto, da SIC, ao filme “O último animal”, de Leonel Vieira, e à produção da série “Codex 362” para a RTP.

Paulo Cardoso sublinhou que a Comic Con é “uma experiência incrível”, mas reconheceu que “Portugal é um país difícil pelo ‘box office’ [receita de bilheteira] perante países com maiores audiências”.

Questionado sobre o impacto económico da Comic Con Portugal, Paulo Cardoso disse que foi desenvolvido um estudo ainda quando a convenção decorreu em Oeiras, mas os dados não foram divulgados e estão a ser atualizados.

Ainda assim, o diretor afirmou que a Comic Con “tem uma grande representatividade no retalho, nos colecionáveis, no vestuário, nas propriedades intelectuais, tem envolvência no conteúdo, nas salas de cinema e ‘streaming'”.

“São indústrias multibilionárias que têm sempre de se alimentar. Mas vivemos com as experiências das pessoas. A Comic Con é levar entretenimento às pessoas”, disse.

Toda a programação da Comic Con está em comic-con-portugal.com.

No dossier de imprensa divulgado hoje, a organização explica que, além do bilhete geral de entrada, os visitantes poderão ter de pagar um bilhete adicional para uma sessão de autógrafos ou para tirar uma fotografia com algum dos convidados. Tudo depende da decisão de cada artista convidado.

Porque o seu tempo é precioso.

Subscreva a newsletter do SAPO 24.

Porque as notícias não escolhem hora.

Ative as notificações do SAPO 24.

Saiba sempre do que se fala.

Siga o SAPO 24 nas redes sociais. Use a #SAPO24 nas suas publicações.