O duplo álbum "Amália 1970 Ensaios", que inclui inéditos da fadista, gravados em casa e nos estúdios Valentim de Carvalho, foi hoje lançado.

Esta edição reúne documentos inéditos, gravados entre 1970 e 1971, nos quais sobressai "o grande virtuosismo vocal e artístico" de Amália que, "mais do que um aperfeiçoamento apenas formal, mais do que fazer uma voltinha, diferente aqui, ou uma variação ali", procurava, também, "novos e por vezes inesperados caminhos emocionais para cada peça", disse, à agência Lusa, o investigador Frederico Santiago, coordenador do projeto.

O duplo CD contou com o apoio do Arquivo Nacional do Som (ANS), que restaurou as gravações.

No livrete que acompanha os discos, e que é um guia de audição deste "precioso material", é também referido que "a intervenção de restauro, feita por Pedro Félix (do ANS), foi reduzida e muito precisa", visando apenas "atenuar alguns efeitos sonoros indesejados que prejudicavam a audição" - sobretudo nos ensaios gravados em casa de Amália. "O objetivo (foi) manter-se fiel ao caráter do registo".

A colaboração do ANS com a Valentim de Carvalho surgiu no âmbito das comemorações, em curso, do centenário de Amália Rodrigues, que nasceu a 23 de julho de 1920, explicou à Lusa o antropólogo Pedro Félix, da comissão instaladora do ANS.

"Aqui se prova que Amália também trabalhava, e muito. Nunca se sentindo totalmente satisfeita com o resultado, mesmo que para nós ele seja já perfeito, o que não deixa de ser um dos segredos do seu génio, o eterno descontentamento e procura permanente da perfeição", disse Frederico Santiago.

O investigador sublinhou que este universo de canções feitas com o músico Alain Oulman é um "repertório que Amália, certamente por temer a censura, só viria a editar depois do 25 de Abril de 1974, mas em versões gravadas mais tarde, com menor brilhantismo vocal do que estas", que agora se revelam.

Defende Santiago que, ainda antes da Revolução dos Cravos, como se prova nesta edição, "existe uma Amália, totalmente livre de preconceitos artísticos e políticos".

Parte do repertório aqui ensaiado ainda não tinha sido publicado e é agora trazido a público, como "Sete Estradas", de Armindo Rodrigues, e a adaptação em estilo de tango do poema "Objeto", de Ary dos Santos, do qual resultou "Com Vossa Licença", ensaiado em casa de Amália, com guitarristas e com Alain Oulman ao piano.

Para Pedro Félix (do ANS), esta é "uma edição fantástica, um documento raro de alcançar, que traz uma Amália de carne e osso".

"Esta edição ecoa muito na minha sensibilidade enquanto antropólogo. Vê-se uma outra realidade que quase sempre fica escondida, este saber fazer, o processo de construção de um material, do qual só se conhece normalmente a parte final", disse Félix, que referiu ainda ser "um documento histórico e artístico raro, de uma artista de tão elevado nível como Amália".

Porque o seu tempo é precioso.

Subscreva a newsletter do SAPO 24.

Porque as notícias não escolhem hora.

Ative as notificações do SAPO 24.

Saiba sempre do que se fala.

Siga o SAPO 24 nas redes sociais. Use a #SAPO24 nas suas publicações.