Num comunicado divulgado esta terça-feira, a União Europeia de Radiofusão (UER/EBU, na sigla em inglês), anuncia que a emissora pública de Israel, a Kan, se encontrou com a EBU e a organização da Eurovisão em Genebra, na Suíça, para dar início às discussões para a edição de 2019 do concurso musical.

Na reunião, a RTP, que este ano organizou e acolheu o festival, em maio, passou a pasta à emissora israelita, marcando o início do planeamento da próxima edição.

A cidade que vai acolher o festival em 2019 será escolhida, “como em anos passados”, depois de um “processo de candidaturas”, esclarece a EBU.

A cidade anfitriã e as datas para a edição do próximo ano deverão ser anunciadas em setembro.

A semana passada, Israel admitia que as cidades de Tel Aviv, Haifa e Eilat, além de Jerusalém, também seriam candidatas à realização do Festival da Eurovisão da Canção em 2019, escrevia no dia 12 o jornal israelita Haretz.

A proposta surgia depois das exigências da União Europeia de Radiofusão, que pretendia que o festival se realizasse num lugar "menos controverso" do que Jerusalém, cidade dividida entre israelitas e palestinianos desde 1967, e à qual a comunidade internacional não reconhece a soberania de Israel.

O primeiro-ministro israelita, Benjamin Netanyahu, concordou que o governo se afastará da escolha da cidade onde o festival se irá realizar, na sequência da vitória de Netta Barzilai, em Lisboa, com o tema "Toy", no início de maio.

Segundo o jornal israelita, Netanyahu tomou esta decisão com os ministros das Finanças e das Comunicações, Moshe Kahlon e Ayoub Kara, respetivamente, e com a procuradora Geral do Estado, Avichai Mendelblit.

A decisão foi transmitida à ministra da Cultura e do Desporto, Miri Reguev, que, na semana anterior, insistira na realização do festival da Eurovisão em Jerusalém, em 2019, defendendo que, caso contrário, não deveria ter lugar no país.

Estas declarações da ministra enquadram-se na estratégia de promover o reconhecimento da soberania israelita na cidade.

Membros da EBU informaram a emissora pública israelita Kan de que não tinham objeção a colocar a Jerusalém, como palco da competição, mas mostraram desconforto pela politização do processo.

Jerusalém já recebeu a Eurovisão em 1979 e 1999, mas a recente controvérsia sobre seu 'statu quo' gerou novas tensões no conflito israelo-palestiniano, e no consenso internacional sobre a cidade.

Em dezembro, Donald Trump anunciou a transferência da embaixada norte-americana para Jerusalém, num reconhecimento isolado da cidade como capital de Israel.

A instalação de um primeiro departamento diplomático teve lugar no passado dia 14 de maio, dando origem a confrontos, em que morreram 60 palestinianos, tendo ficado feridas mais de duas mil pessoas.

Trump anunciou, entretanto, o adiamento por seis meses de mudança da embaixada dos Estados Unidos, de Tel Aviv para Jerusalém.

Porque o seu tempo é precioso.

Subscreva a newsletter do SAPO 24.

Porque as notícias não escolhem hora.

Ative as notificações do SAPO 24.

Saiba sempre do que se fala.

Siga o SAPO 24 nas redes sociais. Use a #SAPO24 nas suas publicações.