João Branco, da organização do Folknova, citado pela agência Lusa, salientou que o evento, que se realiza no sábado e no domingo, pretende crescer através "do trabalho cooperativo e genuíno de toda a população da freguesia de Vila Nova".

"Toda a população se envolveu no processo de organização e produção, seja na mão-de-obra do fim de semana da festa, seja em todo o trabalho que a decoração, logística, publicidade, entre outras vertentes", sublinhou.

Organizado pelo Centro de Animação Desportiva e Cultural (CADEC) de Vila Nova, em parceria com a Junta de Freguesia, o festival assume o desafio de "afirmar o que de genuíno, sustentável e saudável tem a cultura rural portuguesa".

"A par desta sustentabilidade e envolvência social está a causa ecológica, como uma das principais preocupações da organização do evento", frisa João Branco.

O festival regressou em 2015, depois de quatro anos de interregno, e desde essa altura assumiu uma periodicidade bienal.

Nesta edição, que tem como novidade a existência de tasquinhas gastronómicas e uma zona de campismo, o Folknova divide-se entre o Largo Padre José Carvalho e o ringue de Vila Nova.

No sábado, atuam, a partir das 18:00, os grupos Cindazunda, Espiral, Diabo a Sete e Colorau Som Sistema.

No dia seguinte, depois das 17:00, sobem aos palcos as bandas Dragonauts, Ahkorda e Tranglomango.

Porque o seu tempo é precioso.

Subscreva a newsletter do SAPO 24.

Porque as notícias não escolhem hora.

Ative as notificações do SAPO 24.

Saiba sempre do que se fala.

Siga o SAPO 24 nas redes sociais. Use a #SAPO24 nas suas publicações.