Sábado à tarde, tempo de um verão que ainda não se foi embora e Feira do Livro de Lisboa em modo "lotação esgotada" com pessoas a percorrer pavilhões, a fazer fila para sessões de autógrafos e a espreitar as várias iniciativas. Às 17:oo, o É Desta Que Leio Isto, clube de leitura promovido pela MadreMedia e por Elisa Baltazar, juntou, no Palco da Praça Amarela, Maria João Covas, responsável pelo canal de Youtube "Livros? Gosto" e promotora de iniciativas de leitura, Joana da Silva, do clube de leitura e podcast "Livra-te", Analita Alves dos Santos, do clube de leitura «Encontros Literários O Prazer da Escrita» e o escritor Manuel Jorge Marmelo, com o propósito de discutir esse hábito social de reunir pessoas em torno dos livros.

O debate deixou em evidência vários pontos comuns nas iniciativas presentes no painel. A primeira é a presença online de todos os projetos, "empurrados" por uma pandemia que não permitiu durante um tempo alargado reuniões físicas. Para Analita Alves dos Santos, por exemplo, foi a forma de contornar a ausência dos encontros em que participava habitualmente no Algarve, onde vive, e que foram suspensos com os confinamentos. "De repente perguntava-me onde é que eu agora vou para falar de livros?", relatou. Dessa necessidade nasceu o seu próprio projeto de clube de leitura que tem hoje uma agenda regular.

Maria João Covas é uma veterana no que respeita a iniciativas de promoção de leitura. Já as realizava antes da pandemia, mas também com as limitações de deslocação impostas nos últimos dois anos, procurou nas plataformas digitais uma forma de manter as reuniões em torno da leitura. "E o que é curioso é que agora que já podemos estar fisicamente juntos, tive pessoas que me pediram para manter as iniciativas online porque são uma forma de juntar pessoas que estão distantes geograficamente e que têm mais dificuldade de participar em reuniões presenciais".

Já o podcast "Livra-te" nasceu em plena pandemia e para Joana da Silva, co-promotora em parceria com Rita da Nova, foi a forma de "criar um espaço seguro" onde pudesse não apenas discutir o que lê, mas ouvir o que outros leem e recomendam. "A lista de livros para ler aumentou substancialmente desde que iniciámos o projeto e com propostas muito diferentes daquelas que seriam, por exemplo, as minhas escolhas", comenta.

Enquanto escritor, Manuel Jorge Marmelo participa há vários anos em clubes de leitura e gosta do encontro olhos nos olhos com os leitores. "É uma experiência sempre diferente, sobretudo porque cada leitor vê no livro, o seu livro. E é muito curioso vermos que nos fazem perguntas que nos obrigam até a revisitar o nosso processo de escrita e de criação, porque encontram na história que leram dados ou interrogações que não tínhamos tido".

Perceção comum a todos é que as pessoas estão a ler mais. "As pessoas estão mesmo a ler mais, essa é a minha perceção das conversas que mantemos e até da observação à nossa volta", reforça Joana da Silva.

"Ler é um hábito, é uma frase que dizemos muito mas que é absolutamente verdadeira. E quando ganhamos o hábito, sentimos falta se não o fazemos", corrobora Maria João Covas.

"Há uma rotina de reservar tempo para ler, meia hora por dia, por exemplo. E essa rotina organiza a leitura como parte do nosso dia a dia", refere também Analita Alves dos Santos, acompanhada das 700 páginas de "Moby Dick", que foi o livro proposto este mês para leitura no seu clube.

"Não sei se as pessoas estão a ler mais ou menos, mas sei que os encontros com leitores são uma das formas mais autênticas de estimular a leitura", referiu Manuel Jorge Marmelo.

Tão ou mais importante que a leitura é a capacidade que os clube têm de juntar pessoas que não se conheciam e que ali passam a ter um espaço regular de encontro, de conversa e debate de ideias. Os livros são o que une quem se junta a estas iniciativas, mas o clube é também uma forma de combater a solidão e de conhecer novas pessoas. "Costumo dizer que o melhor que os livros me trouxeram foram as pessoas" — a afirmação é de Maria João Covas e é provavelmente a melhor forma de rematar o relato deste primeiro encontro do É Desta Que Leio Isto.

Porque o seu tempo é precioso.

Subscreva a newsletter do SAPO 24.

Porque as notícias não escolhem hora.

Ative as notificações do SAPO 24.

Saiba sempre do que se fala.

Siga o SAPO 24 nas redes sociais. Use a #SAPO24 nas suas publicações.