A mostra é composta por obras inéditas doadas pela artista à Casa das Histórias, abrangendo mais de 60 anos de produção, anunciou a Fundação D. Luís, que organiza a exposição e parceria com a Câmara Municipal de Cascais, no âmbito da programação do Bairro dos Museus.

A inauguração da exposição está marcada para quinta-feira, com a presença da ministra da Cultura, Graça Fonseca, altura em que será também assinado um novo contrato Casa das Histórias – Museu Paula Rego, que garante a continuidade deste projeto por mais dez anos, segundo a fundação.

“Este contrato reafirma, afinal, a relação de confiança entre todas as partes, começando deste modo um novo ciclo com energias renovadas e novidades numa programação que é e será sempre fiel ao universo artístico de Paula Rego”, realça o presidente da Câmara Municipal de Cascais, Carlos Carreiras.

Em representação da artista, será o seu filho Nick Willing a assinar o contrato Casa das Histórias-Museu Paula Rego 2019-2029.

Datados de 1953 a 2019, os trabalhos expostos convidam a percorrer o vasto e diversificado universo artístico de Paula Rego, que inclui desenhos soltos, cadernos de desenhos inéditos e a mais recente obra tridimensional da artista, “Orgulho/Pride” (da série “Sete Pecados Mortais”), exibida pela primeira vez em Portugal.

Tridimensional, feita em ‘papier mâché’, com materiais e tecidos vários, a obra representa, em tamanho natural, a rainha consorte de França Marie Antoinette (1755–1793).

Trata-se do resultado de um trabalho de continuidade com as criaturas fantásticas que Paula Rego executou entre 1977 e 1978, período durante o qual criou uma série de bonecos em tecido, representando personagens dos contos populares: “A princesinha grávida”, “O príncipe perfeito”, “A princesa da ervilha”, “As três cabeças de oiro” e “O gato das botas”.

A exposição apresenta ainda uma série de obras e de modelos construídos pela artista, reveladores do seu processo criativo a partir dos anos de 1990.

“É a partir desta década que as histórias que conta começam a ser encenadas no seu estúdio, quer através de modelos vivos, quer através dos modelos que a própria artista modela para interagirem numa complexa cenografia que a artista passa a pintura”, explica a curadora, Catarina Alfaro.

“Paula Rego: desenhar, encenar, pintar” vai estar aberta ao público a partir de sexta-feira e até 24 de maio de 2020.

Newsletter

As notí­cias não escolhem hora, mas o seu tempo é precioso. O SAPO 24 leva ao seu email a informação que realmente importa comentada pelos nossos cronistas.

Notificações

Porque as noticias não escolhem hora e o seu tempo é precioso.

Na sua rede favorita

Siga-nos na sua rede favorita.