Os roteiros intitulados "Ofícios e Indústrias", "Barroco", "Património dos Caminhos de Santiago" e "Artes e Arquitetura" propõem "um conjunto de viagens ao património cultural destes 17 municípios, onde, em cada lugar, monumento ou museu, o visitante pode conhecer e experienciar histórias e tradições seculares".

Incluída em várias das dimensões estratégicas da AMP para os objetivos do Portugal 2020, a valorização do património dos 17 municípios da região procura dar aos habitantes dos concelhos envolvidos um guia para conhecerem o território, mas também uma forma de promover os lugares.

Os quatro coloridos roteiros lançados esta segunda-feira têm, assim, o objetivo de dar “uma forma diferente de descobrir os 17 municípios que integram a AMP”, disse hoje em Gaia a equipa por trás do projeto. A proposta passa pela descoberta dos ofícios e indústrias da região, mas também das artes e arquitetura, do barroco e do património dos Caminhos de Santiago.

Os roteiros estão disponíveis em quatro pequenos guias, um por cada proposta. Lá dentro, pode encontrar-se “um conjunto de viagens ao património cultural” dos municípios da AMP, onde, diz a organização em comunicado, “em cada lugar, monumento ou museu, o visitante pode conhecer e experiência histórias, tradições seculares, saberes e memórias das diversas comunidades.

O lançamento dos roteiros surge depois da criação de uma plataforma online com informação sobre museus e monumentos classificados dos 17 municípios da AMP, o PIN (pin.amp.pt), com o propósito de “valorizar a riqueza e a diversidade do património cultural” destes territórios.

“Conhecer o berço das memórias e identidades próprias de cada município, desfrutar dos cheiros, dos sabores e das paisagens, sentir a cultura e o património a pulsar nos museus, nos sítios e nas pessoas” é o desafio que a AMP propõe para “dar a conhecer, de uma forma pessoal e improvável, um território único e irrealizável”, anunciou a organização no lançamento dos roteiros, na Casa Museu Teixeira Lopes, em Vila Nova de Gaia, no dia 24 de setembro.

O processo passa por garantir um equilíbrio da dinâmica turística do território, explica Carlos Martins. “Este projeto visa valorizar um património, dando-o a conhecer aos próprios residentes, mas também garantir que os turistas que visitam a AMP têm acesso a informação estruturada e organizada”, diz.

Mas os roteiros não são estanques. No PIN, os utilizadores podem criar os seus próprios roteiros, que vão além das quatro “possibilidades de agregação” propostas nos roteiros em papel criados pela AMP. Na plataforma, consoante os interesses e disponibilidades, cada um pode desenhar um guia e descarregá-lo em casa.

São trinta mil exemplares a distribuir pelos postos de turismo. Apesar de os roteiros não passarem todos por todos os municípios da AMP, todos os concelhos têm presença num dos quatro guias temáticos.

O objetivo não é fazer da AMP uma empresa de turismo, mas permitir dar a conhecer mais património: “Não compete à AMP ser operador turístico, mas facilitar” a distribuição dos turistas pelos territórios.

Quatro propostas para conhecer um território

O roteiro "Os Ofícios e as Indústrias" está dividido em sete etapas, que atravessam a história e o património de 14 municípios, desde o linho, ao vidro, passando pela chapelaria e o calçado, o papel e as artes gráficas, as minas de São Pedro da Cova, as rendas de Bilros de Vila do Conde e as comunidades piscatórias de Matosinhos e Espinho.

Com início na cidade do Porto, considerada o epicentro do denominado Barroco do Norte, o guia do "Barroco" é dedicado às manifestações deste estilo artístico em nove concelhos, "onde o tempo e os homens souberam preservar com esmero a melhor arte e arquitetura do período Barroco".

Já o roteiro temático pelo património dos Caminhos de Santiago propõe uma viagem aos concelhos da Área Metropolitana do Porto, que são ainda hoje um território de passagem e de paragem fundamental para os peregrinos jacobeus em Portugal.

"Artes e Arquitetura" é o tema do quarto roteiro desta série, e propõe uma viagem pelo património artístico e arquitetónico que vem sendo classificado na região desde o século XIX, desde residências de escritores, mercados e esculturas ao ar livre, passando por museus privados, ateliês e até piscinas de água salgada.

No âmbito deste lançamento foi ainda apresentada uma iniciativa em rede intitulada "Sons do Património", que irá promover, entre os dias 27 e 30 de setembro, 17 concertos em locais patrimoniais dos 17 municípios.

Segundo a AMP, o cartaz de eventos tem como intuito celebrar o património com música, em sintonia com a comemoração do Dia Mundial do Turismo e das Jornadas Europeias do Património.

[Notícia corrigida às 08:09 de 27/09 — retifica o nome de um dos promotores do projeto, que é Carlos Martins e não Paulo Martins, como se lia numa versão anterior deste texto]

Porque o seu tempo é precioso.

Subscreva a newsletter do SAPO 24.

Porque as notícias não escolhem hora.

Ative as notificações do SAPO 24.

Saiba sempre do que se fala.

Siga o SAPO 24 nas redes sociais. Use a #SAPO24 nas suas publicações.