Criado em 1992, o Mercury Prize premeia o melhor álbum de um artista britânico ou irlandês. Os anteriores vencedores incluem nomes como PJ Harvey, Alt-J, Portishead, Arctic Monkeys, The xx e Franz Ferdinand.

“Isto representa muito” para a banda, disse a cantora de 26 anos, Ellie Rowsell, que não conseguiu esconder a surpresa quando recebeu o prémio, que recompensa também a banda com 25 mil libras (28 mil euros) e, geralmente, garante um impulso às vendas do álbum.

Este é a primeira vez nos últimos seis anos em que é premiada uma banda rock.

A cantora e compositora Nadine Shah, com seu álbum pró imigração “Holiday Destination”, e a banda de jazz Sons of Kemet eram dados como os favoritos a vencer o Mercury Prize.

Em 2017, a vitória coube a Sampha, derrotando então favoritos como Ed Sheeran ou The xx.

Originalmente do norte de Londres e fundada em 2010 por Ellie Rowsell e o guitarrista Joff Oddie, Wolf Alice era originalmente uma dupla folclórica, antes de se tornar num quarteto de roqueiros.

A banda já havia sido nomeada pela primeira vez para o Mercury Prize em 2015 pelo o seu primeiro álbum, “My Love Is Cool”.

Aclamado pela crítica, o seu novo álbum alcançou o segundo lugar nas vendas no Reino Unido, quando foi lançado em setembro.

A cerimónia teve lugar esta quinta-feira à noite no Hammersmith Apollo, uma famosa sala de concertos em Londres.

Porque o seu tempo é precioso.

Subscreva a newsletter do SAPO 24.

Porque as notícias não escolhem hora.

Ative as notificações do SAPO 24.

Saiba sempre do que se fala.

Siga o SAPO 24 nas redes sociais. Use a #SAPO24 nas suas publicações.