Numa conferência de negócios em Telavive, Rudy Giuliani disse que depois de Trump cancelar abruptamente, em 24 de maio, a cimeira com Kim Jong-un, marcada para 12 de junho, o líder norte-coreano "meteu-se de joelhos e implorou pelo encontro, que é exatamente na posição em que o queremos".

Mais tarde, o ex-mayor de Nova Iorque e advogado de Trump veio dizer que utilizou a expressão em sentido figurado para demonstrar que Kim Jong-un era o principal interessado nesta cimeira e que tinha desta forma percebido a posição de força do seu interlocutor.

Em entrevista à Associated Press, Giuliani rejeitou a possibilidade de as suas afirmações terem um impacto negativo a poucos dias do encontro, minando a atmosfera da cimeira. "Isto mostra que o Presidente [Trump] é uma figura forte, e não vamos ter negociações úteis se ele [Kim Jong-un] não entender isso", acrescentou.

Sobre o cancelamento abrupto do encontro, o advogado disse que Trump não podia fazer outra coisa depois dos norte-coreanos terem insultado o vice-presidente Mike Pence e o consultor de segurança John Bolton e de terem ameaçado os Estados Unidos de "aniquilação nuclear".

Na sequência do cancelamento, diz Giuliani, Kim Jong-un mudou a sua posição e mostrou-se disponível para debater a desnuclearização e pediu para que o encontro fosse retomado. "Era isso que eu queria dizer quando disse que ele implorou", esclareceu o advogado à Associated Press.

Trump confirmou finalmente a 1 de junho a cimeira iria ter lugar, após um encontro com o ‘número dois” do regime de Pyongyang. “O processo vai começar em 12 de junho em Singapura”, anunciou Trump aos jornalistas após um encontro de mais de uma hora com o general norte-coreano Kim Yong Chol. O responsável norte-coreano, que viajou para os EUA na quarta-feira onde tem mantido diversos contactos com responsáveis oficiais, deslocou-se a Washington e reuniu-se com Trump na Casa Branca, a quem entregou uma carta pessoal do Presidente norte-coreano Kim Jong-un.

A primeira reunião entre o presidente americano Donald Trump e o dirigente norte-coreano Kim Jong-un vai-se realizar na terça-feira, dia 12 de junho, às 09h00 da manhã em Singapura (02h00 em Portugal Continental).

Washington exige uma desnuclearização “total, verificável e irreversível” da Coreia do Norte e declarou-se disposto a fornecer garantias de “segurança” ao regime de Pyongyang, que sempre considerou o seu arsenal nuclear uma espécie de seguro de vida.

Por seu lado, Kim Jong-un disse querer “avançar para uma desnuclearização da península coreana”, mas através de um processo “etapa por etapa”, tendo publicamente afirmado rejeitar qualquer desarmamento “unilateral”.

Newsletter

As notí­cias não escolhem hora, mas o seu tempo é precioso. O SAPO 24 leva ao seu email a informação que realmente importa comentada pelos nossos cronistas.

Notificações

Porque as noticias não escolhem hora e o seu tempo é precioso.

Na sua rede favorita

Siga-nos na sua rede favorita.