Vá, eu admito, devo fazer parte de uma minúscula minoria que na minha faixa etária nunca viu a série Friends.

“Apóstata”, “traidor”, “snobe” — perdi a conta do rol de insultos que me já foram dirigidos por nunca ter dado a devida atenção à série que popularizou entrar em casa dos outros amigos sem sequer bater à porta porque esta nem sequer está trancada (minto, provavelmente foi o Seinfeld).

E não é que desgoste sequer das aventuras e desventuras de Chandler, Joey, Phoebe, Monica, Rachel e Ross. É boa série para ver uns episódios de seguida num domingo à tarde, mas nunca me senti investido em querer ver de seguida nem saber quais os destinos dos seis protagonistas.

Ainda assim, não nego o seu impacto cultural nem os factores que fizeram dela um fenómeno de audiências, cuja popularidade dura até hoje, dia em que fez 25 anos. Nem eu, nem o João Dinis, que dedicou a este marco da televisão um belo artigo.

Mas este título não foi apenas escolhido para celebrar a ficção do pequeno-ecrã, não. É também uma referência à realidade, ou melhor, dizendo à “política real”.

Enquanto acabo de escrever estas linhas, já foram contados os votos das Eleições Regionais da Madeira, plebiscito que, ao contrário dos outros anos, em que o PSD atingiu maiorias absolutas, vai obrigar as forças políticas a coligar-se para formar governo, naquilo se afigura "um momento histórico".

O PSD foi o vencedor, mas precisará de forças como o CDS-PP para poder governar. Já o PS, apesar de dizer ter  “condições para governar” e de ter atingido o seu melhor resultado de sempre, não vai poder contar com os seus parceiros de “geringonça”, já que só a CDU elegeu. Precisará então do JPP para tentar constituir uma força governativa, caso o PSD não o faça.

Seja de um lado, seja do outro, será preciso escolherem-se “amigos” nos próximos dias. Podem não ser os que se quer, mas vão ser daqueles que se precisa. Durante os próximos quatro anos, os amigos vão precisar de ser amigos.

Newsletter

As notí­cias não escolhem hora, mas o seu tempo é precioso. O SAPO 24 leva ao seu email a informação que realmente importa comentada pelos nossos cronistas.

Notificações

Porque as noticias não escolhem hora e o seu tempo é precioso.

Na sua rede favorita

Siga-nos na sua rede favorita.