“As forças de segurança têm capacidades de fiscalização dos 'drones'. A ANAC [Autoridade Nacional de Aviação Civil] não tem pessoas no terreno a fazer esse trabalho. Há apreensões de 'drones' e processos levantados pelas próprias forças de segurança”, indicou Luís Ribeiro, durante uma audição parlamentar na comissão de Economia, Inovação e Obras Públicas.

No entanto, o responsável da autoridade de aviação admitiu que “é muito difícil descobrir um 'drone' e ainda mais difícil quem é o operador do 'drone'”.

Até este momento, “têm existido capacidade das forças e serviços de segurança para intervir”, reiterou Luís Ribeiro, ressalvando que a atuação talvez não tenha decorrido “nas melhores condições”.

Relativamente à regulamentação destes aparelhos, o presidente da ANAC disse que já foi publicado pela Comissão Europeia um diploma que estabelece as condições de venda, estando também prestes a entrar em vigor outro documento que define as condições de operação.

“Brevemente teremos regras harmonizadas na Europa sobre esta matéria”, notou.

Porque o seu tempo é precioso.

Subscreva a newsletter do SAPO 24.

Porque as notícias não escolhem hora.

Ative as notificações do SAPO 24.

Saiba sempre do que se fala.

Siga o SAPO 24 nas redes sociais. Use a #SAPO24 nas suas publicações.