O anúncio, intitulado "Este Natal, nada nos pára", mostra a população determinada a desfrutar de um Natal com a família e amigos após as restrições de encerramento impedirem as reuniões do ano passado, mas logo de seguida surge uma "notícia de última hora" a informar que "o Pai Natal pode ser colocado em quarentena.

Contudo, não passa de um falso alarme: o Pai Natal aparece no posto de controlo fronteiriço e mostra o seu certificado digital covid-19, provando que foi vacinado e, assim, pode entrar no país sem restrições. De acordo com o The Guardian, a maioria das queixas apresentadas ao regulador de publicidade do Reino Unido declara que a cena encoraja a discriminação face aos que não foram vacinados.

A Advertising Standards Authority, que aplica o código de publicidade no Reino Unido, afirmou que está a rever as queixas para ver se estas justificam uma investigação por uma potencial violação das regras.

"Recebemos, até ao momento, mais de 1.500 queixas relativas a este anúncio", disse um porta-voz. "A grande maioria das queixas afirma que o anúncio é coercivo e encoraja a discriminação com base no estatuto vacinal. Estamos neste momento a rever cuidadosamente estas queixas para determinar se existem motivos para novas ações", informaram.

Porque o seu tempo é precioso.

Subscreva a newsletter do SAPO 24.

Porque as notícias não escolhem hora.

Ative as notificações do SAPO 24.

Saiba sempre do que se fala.

Siga o SAPO 24 nas redes sociais. Use a #SAPO24 nas suas publicações.