O plenário dividiu-se hoje nas votações sobre o cumprimento da Convenção dos Direitos da Criança, com o projeto de lei do PSD a ser aprovado com abstenção do PCP, BE e PEV e aprovação das restantes bancadas.

Quanto ao projeto apresentado pelo PAN, votado favoravelmente apenas pelo proponente, foi chumbado com votos contra do PSD e Chega e abstenções dos restantes grupos e deputados.

A proposta do PAN visava a criação de um Observatório na Comissão Nacional de Promoção dos Direitos e Proteção das crianças e jovens para monitorização do cumprimento das obrigações da Convenção dos Direitos das Crianças.

No documento, o PAN defendia que este observatório deve integrar investigadores universitários de reconhecido mérito e com especiais conhecimentos nesta área assim como um representante de associações da sociedade civil com trabalho reconhecido em matéria de infância e juventude.

Já o PSD, apresentou um projeto de lei para alterar a lei que regula o ingresso nas magistraturas, a formação de magistrados e a natureza, estrutura e funcionamento do Centro de Estudos Judiciários, assegurando formação obrigatória aos magistrados sobre a Convenção sobre os Direitos da Criança.

Considera o PSD que é imperativo que seja garantida, no curso de formação para o ingresso nas magistraturas dos tribunais judiciais, uma componente letiva que incida sobre a Convenção sobre os Direitos da Criança.

Com as alterações propostas, o PSD pretende assegurar aos magistrados judiciais formação obrigatória — inicial e contínua -que incida sobre a Convenção sobre os Direitos da Criança.

O PSD e o BE apresentaram também dois projetos de resolução sobre a matéria, ambos rejeitados pela Assembleia da República.

O projeto de resolução do PSD recomendava ao Governo a atribuição ao Provedor de Justiça da função de coordenar e monitorizar a aplicação da Convenção sobre os Direitos da Criança em Portugal e o texto do Bloco de Esquerda recomenda a criação de um Comité Nacional para os Direitos da Criança, no cumprimento das recomendações do Comité das Nações Unidas para os Direitos das Crianças e da Convenção dos Direitos das Criança.

Por outro lado, a Assembleia da República rejeitou um projeto de resolução do CDS-PP para que os utentes pudessem recorrer a outro hospital do setor público, privado ou social, quando ultrapassado o Tempo Máximo de Resposta Garantido (TMRG).

O projeto apresentado pelo CDS-PP foi rejeitado com votos contra do PS, BE, PCP, PEV, PAN e da deputada não inscrita, Joacine Katar Moreira, votos favoráveis do CDS, PSD e Iniciativa Liberal e abstenção do Chega.

Também um projeto de resolução apresentado pelo Bloco de Esquerda, que sugeria ao governo a colocação em consulta pública dos programas de ação do plano nacional de gestão integrada de fogos rurais foi rejeitado, exceto no último ponto.

Este ponto recomenda ao Governo a produção de um “relatório de análise às recomendações constantes dos pareceres, relatórios e estudos elaborados pelo Observatório Técnico Independente até ao término das consultas públicas, com identificação e justificação das propostas aceites e recusadas no âmbito da elaboração do Programa de Ação Nacional e Regionais do Plano Nacional de Gestão Integrada de Fogos Rurais”.

Newsletter

As notí­cias não escolhem hora, mas o seu tempo é precioso. O SAPO 24 leva ao seu email a informação que realmente importa comentada pelos nossos cronistas.

Notificações

Porque as noticias não escolhem hora e o seu tempo é precioso.

Na sua rede favorita

Siga-nos na sua rede favorita.