“As pessoas podem pensar ‘eu já estou habituado ao ruído’, mas o nosso cérebro mesmo sem sermos acordados é perturbado pelo ruído dos aviões”, defendeu Francisco Ferreira, falando numa reunião da Comissão Permanente de Ambiente e Qualidade de Vida da Assembleia Municipal de Lisboa (AML)

O presidente da Zero foi ouvido no âmbito de uma petição que deu entrada na AML em 2019 intitulada “Aeroporto da Portela: queremos ser informados e ouvidos sobre os seus impactos”.

Francisco Ferreira realçou que as medições feitas pela Zero indicam que o ruído ultrapassa os limites estabelecidos, sendo que só nas medições feitas em março de 2020, já durante a pandemia de covid-19, é que se registou um cumprimento dos valores.

Os limites são de 65 decibéis durante o dia e 55 decibéis no período noturno, disse. Porém, as medições feitas pela Zero em julho de 2019 indicavam que, na zona do Campo Grande, aqueles valores foram ultrapassados em 10 decibéis, tanto durante o dia como à noite.

“No nosso entender basta um movimento às 03:00 ou às 04:00 para perturbar o sossego de quem esteja na linha de aterragem ou de descolagem do avião”, vincou o presidente da Zero, reiterando que os voos noturnos não podem continuar.

“Para nós, a medida mais urgente passível de ser executada sem mínimo de problema, ainda para mais em tempos de pandemia, é o terminar voos noturnos e o respeitar o limite do ruído no período noturno entre as 23:00 e as 07:00”, insistiu.

Apesar de ter concentrado a sua intervenção nos problemas de ruído causados pelo aeroporto, Francisco Ferreira notou ainda que as concentrações de “partículas finas” também são prejudiciais à saúde e são “extremamente elevadas” no corredor aéreo entre as Amoreiras e o aeroporto.

Em fevereiro do ano passado, o presidente da Câmara de Lisboa, Fernando Medina (PS), afirmou que não ia tolerar o regresso dos voos noturnos após as obras de expansão do Aeroporto da Portela.

O ministro das Infraestruturas e da Habitação, Pedro Nuno Santos, considerou depois que esta é “uma exigência justa” de Fernando Medina.

“Caminharmos para zero voos no período noturno” é o objetivo, afirmou o ministro.

Ainda segundo Pedro Nuno Santos, as obras no aeroporto podem permitir dar condições para a “eliminação dos voos noturnos”, nomeadamente evitando atrasos nos voos e até anulando movimentos noturnos que estão previstos na lei.

Porque o seu tempo é precioso.

Subscreva a newsletter do SAPO 24.

Porque as notícias não escolhem hora.

Ative as notificações do SAPO 24.

Saiba sempre do que se fala.

Siga o SAPO 24 nas redes sociais. Use a #SAPO24 nas suas publicações.