Os nomes dos dois candidatos foram anunciados quinta-feira ao fim da noite, na apresentação oficial da coligação "Juntos, fazemos melhor", que une o CDS-PP e o PSD para as próximas eleições autárquicas naquele concelho do distrito de Castelo Branco.

Pedro Farromba tem 47 anos, trabalha atualmente no setor privado e apresenta-se com o objetivo de "unificar uma área política outrora desavinda", liderando "um projeto diferente, sem imposições de ideias ou dependência de estruturas, sem restrições de convicções ou limites de escolhas".

Ao longo da intervenção, o candidato deixou duras críticas aos últimos oito anos de gestão socialista e garantiu que tem um projeto diferente para alcançar para uma "Covilhã de futuro", assente nos eixos do emprego, ação social, turismo e regeneração urbana.

"A minha Covilhã é uma cidade viva, empreendedora e que fala a linguagem dos que criam emprego. Que sabe ouvir os que precisam de apoio, que sabe escutar os que são mais desprotegidos. A minha Covilhã precisa de vontade, de força, de convicção e de certezas. Precisa de quem saiba definir um rumo, de quem saiba construir um caminho, de quem defina e trace objetivos, de quem cria uma estratégia", afirmou.

O candidato, que já exerceu funções de vice-presidente daquela autarquia e que encabeçou uma candidatura independente nas autárquicas de 2013 (elegeu dois vereadores), também sublinhou o facto de não ter militância política e de não depender da vida política para viver.

Além disso, vincou que o projeto desta coligação é a "única alternativa séria, credível e competente" à atual maioria.

Uma ideia que é partilhada pelo ex-secretário de Estado do Turismo, Adolfo Mesquita Nunes, que em 2017 liderou a candidatura do CDS à Câmara da Covilhã, tendo sido eleito vereador.

Como fez questão de frisar, cumpriu o mandato durante os quatro anos e agora avança como cabeça de lista à Assembleia Municipal, no âmbito desta coligação CDS/PSD, mantendo "a vontade de dar o melhor" e a "energia para ganhar".

Adolfo Mesquita Nunes explicou que o que o "faz correr" se prende com o facto de ter sido na Covilhã que cresceu, estudou e que nasceu para a política, bem como por acreditar que Pedro Farromba será o presidente de Câmara que a Covilhã precisa.

"A opção que nós vamos ter é muito simples: Continuamos com o que já está ou mudamos para melhor e para diferente", frisou.

Segundo a lei, as eleições autárquicas decorrem entre setembro e outubro.

Além dos candidatos da coligação, o escritor João Morgado também já anunciou que irá protagonizar uma "candidatura cívica" à presidência da Câmara da Covilhã.

Atualmente, a Câmara da Covilhã é liderada pelo socialista Vítor Pereira, que foi reeleito em 2017, conquistando cinco dos sete mandatos possíveis. O CDS-PP e o movimento independente "De Novo Covilhã" elegeram um vereador cada.

Porque o seu tempo é precioso.

Subscreva a newsletter do SAPO 24.

Porque as notícias não escolhem hora.

Ative as notificações do SAPO 24.

Saiba sempre do que se fala.

Siga o SAPO 24 nas redes sociais. Use a #SAPO24 nas suas publicações.