De acordo com a informação dada pela agência Reuters, que cita a televisão estatal chinesa, o avião, um Boeing 737, teve "um acidente" e causou um incêndio nas montanhas de Guangxi, perto da cidade de Wuzhou.

O meios de socorro já dirigiram-se para o local. A Reuters adianta que, segundo os media chineses, não há sinal de sobreviventes junto aos destroços.

A imprensa local informou que, segundo os funcionários do aeroporto, o voo MU5735 da China Eastern Airlines não chegou ao seu destino previsto em Guangzhou depois de ter descolado da cidade de Kunming pouco depois das 13:00 (hora local, 5:00 em Lisboa Lisboa).

De acordo com dados do site de rastreamento de voos FlightRadar24, trata-se do voo MU5735 e deixou de estar visível nos radares pelas 14:22 (6:22 em Lisboa). O rastreamento revela que o Boeing 737-89P perdeu velocidade, antes de entrar numa descida acentuada, tendo deixado de transmitir dados a sudoeste de Wuzhou.

A China Eastern já reagiu ao acidente. "Podemos confirmar que o avião se despenhou", anunciou em comunicado, acrescentando estar a disponibilizar uma linha de apoio para os familiares dos passageiros.

O último grande acidente aéreo na China aconteceu em agosto de 2010, com o balanço de 44 mortes, quando um Embraer E-190 se despenhou numa aproximação de pouca visibilidade ao aeroporto de Yichun.

De resto, o histórico de segurança das companhias aéreas da China tem sido um dos melhores do mundo na última década.

O aparelho em questão foi entregue à China Eastern pela construtora norte-americana Boeing, em junho de 2015, e estava a ser utilizado há mais de seis anos.

O Boeing 737 bimotor de corredor único é um dos aviões mais populares do mundo para voos de curta e média distância.

A China Eastern opera várias versões daquele modelo, incluindo o 737-800 e o 737 Max.

A utilização da versão 737 Max esteve suspensa em todo o mundo, após dois acidentes fatais.

O regulador de aviação civil da China voltou a permitir o seu uso no final do ano passado.

[Artigo atualizado às 11:42 — atualiza que não há sobreviventes]

Porque o seu tempo é precioso.

Subscreva a newsletter do SAPO 24.

Porque as notícias não escolhem hora.

Ative as notificações do SAPO 24.

Saiba sempre do que se fala.

Siga o SAPO 24 nas redes sociais. Use a #SAPO24 nas suas publicações.