Biden falava aos jornalistas na conclusão de uma viagem de cinco dias ao estrangeiro para participar na cimeira da NATO, que terminou hoje em Madrid, e na reunião do G7 (grupo dos sete países mais industrializados do mundo), nos Alpes da Baviera, que decorreu quando o país enfrentava as consequências da decisão do Supremo Tribunal.

“Os Estados Unidos estão mais bem posicionados para liderar o mundo do que nunca”, afirmou, admitindo que a anulação pelo Supremo Tribunal da decisão sobre o processo judicial Roe vs Wade — de 1973, que garantiu a liberdade de fazer um aborto — é “algo desestabilizador”.

“Percebo por que o povo norte-americano está frustrado com o que o Supremo Tribunal fez”, afirmou.

O Presidente dos EUA avançou ainda que vai apoiar uma mudança das regras de bloqueio do Senado para permitir a aprovação, por maioria simples, de uma lei que proteja o direito ao aborto em todo o país.

Biden disse, por outro lado, que pretende pedir aos países do Golfo Pérsico que aumentem a produção de petróleo para baixar o preço do crude, que tem aumentado a inflação nos Estados Unidos.

Para Joe Biden, a culpa de o preço dos combustíveis e dos alimentos ter subido tanto é da Rússia, por ter invadido a Ucrânia em fevereiro passado.

“O preço do petróleo está alto por causa da Rússia, Rússia, Rússia”, sublinhou, acrescentando que a razão para a crise alimentar vivida atualmente no mundo é o facto de “a Rússia não permitir que saiam cereais da Ucrânia”.

Porque o seu tempo é precioso.

Subscreva a newsletter do SAPO 24.

Porque as notícias não escolhem hora.

Ative as notificações do SAPO 24.

Saiba sempre do que se fala.

Siga o SAPO 24 nas redes sociais. Use a #SAPO24 nas suas publicações.