Num comunicado, a Anatel frisou que autorizou a operação no país sul-americano do sistema Starlink criado por Musk, que consiste em uma constelação de 4.408 satélites de baixa órbita que permitem oferecer internet a locais remotos.

A licença concedida à SpaceX se estende até 28 de março de 2027, conforme informado pela Anatel.

O diretor da Anatel, Emmanoel Capelo, frisou no mesmo comunicado que “é do interesse da empresa o provimento de acesso à internet em banda larga para clientes distribuídos em todo o território brasileiro, o que, certamente, será bastante oportuno para escolas, hospitais e outros estabelecimentos localizados em regiões rurais ou remotas.”

Por outro lado, a Anatel concedeu à Swarm, uma empresa emergente de conectividade via satélite, “direitos de exploração e uso de radiofrequências” até 7 de setembro de 2035.

A Swarm, que em julho de 2021 chegou a um acordo para ingressar na SpaceX, também pretende, a médio prazo, colocar em operação a constelação Swarm, composta por 150 satélites em órbita não geoestacionária.

Em novembro passado, o ministro brasileiro das Comunicações, Fábio Faria, reuniu-se com Elon Musk, nos Estados Unidos, para se informar sobre o sistema de satélites idealizado pelo também fundador da Tesla e buscar um acordo.

Segundo Faria, a operação da Starlink no Brasil possibilitaria o monitoramento mais eficiente da extração ilegal de madeira na Amazónia e das queimadas.

O sistema Starlink permite o acesso à rede por meio de pequenas antenas fáceis de instalar em qualquer lugar onde os provedores regulares de internet não alcancem. Nos Estados Unidos, o equipamento custa cerca de 500 dólares (cerca de 448 euros) e a mensalidade é de 99 dólares (cerca de 88 euros).

Porque o seu tempo é precioso.

Subscreva a newsletter do SAPO 24.

Porque as notícias não escolhem hora.

Ative as notificações do SAPO 24.

Saiba sempre do que se fala.

Siga o SAPO 24 nas redes sociais. Use a #SAPO24 nas suas publicações.