A operação “Uiara”, hoje divulgada, foi realizada por agentes da Polícia Federal, com o apoio de fiscais ambientais, da Marinha e do Ministério Público.

Uma pessoa foi detida e transportada para uma prisão em Manaus, capital do estado do Amazonas.

Os restantes mineiros ilegais, conhecidos como “garimpeiros”, fugiram do local antes da chegada das autoridades e depois da divulgação da ação, com fotos publicadas pela imprensa.

Há duas semanas que centenas de jangadas e dragas estavam alinhadas no rio Madeira e chegavam a bloquear a passagem de outras embarcações, depois de circular com força o rumor de que naquele ponto, pertencente ao município de Autazes, havia muitos metais preciosos.

As 61 jangadas, que estavam abandonadas e algumas tinham no interior outro e mercúrio, e 38 lanchas, mais 69 dragas, foram queimadas.

Os habitantes da região temem também pela sua saúde, com a eventual contaminação com mercúrio — usado na atividade mineira — dos peixes que consomem e pelos danos ambientais contra a fauna fluvial.

De toda a atividade extrativa que se realiza na maior selva tropical do planeta, a extração mineira ilegal, conhecida no Brasil como “garimpo”, representa 67,6% e é praticada principalmente em áreas de conservação ambiental.

Precisamente nessas áreas, as extrações aumentaram mais de 300% na última década, segundo um estudo da organização Mapbiomas, divulgado em finais de agosto.

O ouro é o principal metal procurado pelo “garimpo”, com 86%, enquanto a atividade ilegal é uma das principais causas da desflorestação da Amazónia, que perdeu cerca de 8.500 quilómetros quadrados de selva em 2020.

Porque o seu tempo é precioso.

Subscreva a newsletter do SAPO 24.

Porque as notícias não escolhem hora.

Ative as notificações do SAPO 24.

Saiba sempre do que se fala.

Siga o SAPO 24 nas redes sociais. Use a #SAPO24 nas suas publicações.