"Não é só o nome do PGR que resolve os problemas. É importante que haja condições" em termos de meios técnicos e humanos, salientou a dirigente do Bloco de Esquerda, em entrevista à RTP-1.

A líder bloquista recordou que nunca colocou a questão em termos de nomes, por entender que se deveria garantir a "não partidarização e independência do órgão", alegando que o debate público sobre esta matéria "não foi conduzido da melhor maneira".

Catarina Martins admitiu que o mandato de Joana Marques Vidal como PGR ficou marcado por "alguns avanços", apontando a abertura de processos como o do ex-primeiro-ministro José Sócrates, de autarcas do PSD ou da EDP.

"Houve coisas muito positivas, outras em que é preciso fazer muito", defendeu, quando questionada sobre o mandato de Joana Marques Vidal à frente do Ministério Público.

Porque o seu tempo é precioso.

Subscreva a newsletter do SAPO 24.

Porque as notícias não escolhem hora.

Ative as notificações do SAPO 24.

Saiba sempre do que se fala.

Siga o SAPO 24 nas redes sociais. Use a #SAPO24 nas suas publicações.