Segundo Alberto Morgado, vice-presidente da Câmara Municipal de Almeida, no distrito da Guarda, os participantes na concentração abandonaram o local pelas 16:15, mas foi convocada nova iniciativa, para o mesmo local, para as 14:30 de segunda-feira, dia 08.

Naquele dia, os habitantes irão procurar "ser atendidos, fazer transações, levantamentos e depósitos", na agência de Vilar Formoso, a única que está em funcionamento no concelho de Almeida, após o encerramento do balcão na sede de concelho, indicou.

Hoje os manifestantes dirigiram-se a Vilar Formoso, a cerca de 15 quilómetros de distância da sede de concelho, para acederem ao interior da CGD local, onde tencionavam pedir informações sobre as suas contas, não tendo concretizado a intenção por a mesma ter encerrado as suas portas mais cedo.

O vice-presidente da Câmara Municipal de Almeida reafirmou à Lusa que a autarquia "está aberta ao diálogo" com a administração da CGD desde que o banco mantenha a tesouraria local "aberta".

Alberto Morgado observou que a vila histórica de Almeida, situada junto da fronteira com Espanha, "é a única sede de concelho do país que está privada deste serviço".

No momento em que os habitantes abandonaram o recinto das instalações do balcão da CGD de Vilar Formoso gritaram as palavras de ordem "Alma até Almeida" e "A luta continua".

Porque o seu tempo é precioso.

Subscreva a newsletter do SAPO 24.

Porque as notícias não escolhem hora.

Ative as notificações do SAPO 24.

Saiba sempre do que se fala.

Siga o SAPO 24 nas redes sociais. Use a #SAPO24 nas suas publicações.