Um dia depois de o Presidente da República, Marcelo Rebelo de Sousa, ter promulgado o decreto do Governo, que contabiliza apenas dois anos, nove meses e 18 dias, o secretário-geral da Fenprof, Mário Nogueira, apela a um entendimento entre os partidos políticos sobre a recuperação do tempo de serviço dos professores.

Convidado a comentar esta promulgação e o apelo da Fenprof, Arménio Carlos considerou hoje que "a questão coloca-se na Assembleia da República", impelindo os partidos políticos a "passarem das palavras aos atos".

"Houve uma resolução, um Orçamento que foi aprovado em 2018, que apontava a solução que era o reconhecimento de toda a carreira. Agora é preciso passar das palavras aos atos e nada melhor do que na Assembleia da República darem sequência à proposta da Fenprof. Se houver a mesma vontade política que houve para resolver o problema dos bancos privados, é possível concretizar isto", disse o secretário-geral da CGTP.

Arménio Carlos, que falava aos jornalistas à margem da assembleia-geral de delegados sindicais do Sindicato dos Trabalhadores em Funções Públicas e Sociais do Norte, que esta tarde decorre no Porto, analisou a proposta da Fenprof e disse que "há cada vez mais razões para lutar".

"A proposta corresponde apenas e só à aplicação do valor em 2019, mas tem a abertura para que a aplicação dos nove anos, quatro meses e dois dias de reconhecimento da carreira possa ser feita ao longo dos anos. Mantemos a ideia muito forte se tínhamos razões há um ano para lutar, agora temos ainda mais razões. Há trabalhadores na função pública que estão a ser desrespeitados", concluiu.

Porque o seu tempo é precioso.

Subscreva a newsletter do SAPO 24.

Porque as notícias não escolhem hora.

Ative as notificações do SAPO 24.

Saiba sempre do que se fala.

Siga o SAPO 24 nas redes sociais. Use a #SAPO24 nas suas publicações.