O conflito com as FARC, que, por meio século, fez a Colômbia sangrar, acabou, proclamou o presidente Juan Manuel Santos após a conclusão, esta terça-feira, do desarmamento dessa guerrilha, que assinou a paz e agora se transformará em partido político.

"Com essa deposição de armas, o conflito realmente termina e começa uma nova fase na vida da nossa nação", afirmou Santos, num ato oficial em Pondores, uma zona do departamento de La Guajira, no norte do país sul-americano.

O presidente e os até então chefes do movimento guerrilheiro assistiram à saída do último carregamento das armas que foram entregues a uma delegação da ONU.

Santos usou um cadeado para fechar o contentor onde foram armazenados os últimos exemplares, num gesto simbólico que marca o fim de uma prolongada luta que deixou quase 7,5 milhões de vítimas entre mortos, desaparecidos e deslocados.

"Este é realmente um momento histórico para o país. Tivemos 198 anos de vida republicana. Nunca havíamos tido um conflito tão longo e hoje efetivamente é o último suspiro desse conflito", destacou Santos.

Iván Márquez, um dos líderes das Farc, anunciou que esta organização deixa a luta armada para fazer política, conforme os acordos de paz assinados em novembro, depois de quatro anos de negociações.

"Dentro de pouco estaremos a realizar o congresso fundador do novo partido político que seguramente se chamará Força Alternativa Revolucionária da Colômbia", antecipou.

O ato de lançamento está previsto para 1 de setembro em Bogotá e deverá oficializar o nome do novo movimento de esquerda.

Porque o seu tempo é precioso.

Subscreva a newsletter do SAPO 24.

Porque as notícias não escolhem hora.

Ative as notificações do SAPO 24.

Saiba sempre do que se fala.

Siga o SAPO 24 nas redes sociais. Use a #SAPO24 nas suas publicações.