Entretanto, a embaixadora dos Estados Unidos da América (EUA) na ONU, Kelly Craft, advertiu hoje a Turquia que “sofrerá consequências” se a sua ofensiva no nordeste da Síria não proteger as “populações vulneráveis” e se permitir um ressurgimento do grupo ‘jihadista’ Estado Islâmico (EI).

“Um fracasso na hora de cumprir com as regras de proteger as populações vulneráveis ou garantir que o [grupo extremista] Estado Islâmico não possa explorar estas ações para se reorganizar terá consequências” disse aos jornalistas Kelly Craft, no final da reunião da ONU.

Na reunião, os cinco membros europeus que pediram a reunião de hoje (existem 15 países-membros) instaram a Turquia a uma declaração conjunta “para cessar a ação militar unilateral”.

Consideram que o ataque ameaça o progresso contra o EI.

A reunião foi convocada pela França, Reino Unido, Alemanha, Bélgica e Polónia, os cinco países da União Europeia (UE) atualmente representados no Conselho de Segurança.

Os membros do Conselho advertiram que as “renovadas hostilidades armadas no nordeste minarão ainda mais a estabilidade de toda a região e vão agravar o sofrimento dos civis e provocar mais deslocações.”

O embaixador da Rússia na ONU, Vassily Nebenzia, cujo país é um importante aliado sírio, disse aos jornalistas que qualquer declaração do conselho sobre a Síria deve abordar questões mais amplas, incluindo a presença de forças estrangeiras no país.

Newsletter

As notí­cias não escolhem hora, mas o seu tempo é precioso. O SAPO 24 leva ao seu email a informação que realmente importa comentada pelos nossos cronistas.

Notificações

Porque as noticias não escolhem hora e o seu tempo é precioso.

Na sua rede favorita

Siga-nos na sua rede favorita.