“Necessitamos que esta cimeira marque o princípio do fim dos combustíveis fósseis”, afirmou Hoekstra à chegada à cimeira, altura em que reafirmou ainda a posição da União Europeia (UE) que defende um acordo para que seja cumprido um dos principais objetivos do Acordo de Paris de 2015: evitar a subida superior a um grau e meio acima dos níveis pré-industriais.

“Sabe-se o que é necessário e que se tem de agir de forma rápida: o mundo deve reduzir as suas emissões o mais tardar em 2025 e alcançar uma redução de 43% para 2030”, referiu.

“O cerne da questão de que estamos a falar é a eliminação progressiva dos combustíveis fósseis”, sublinhou o representante europeu, recordando que a UE defende apenas o uso de tecnologias de captura e armazenamento de carbono no âmbito dos setores mais difíceis de descarbonizar.

Junto do comissário, a ministra de Transição Ecológica espanhola, Teresa Ribera, falou, por seu turno, pela presidência semestral do Conselho da UE (que é rotativa e atualmente é assumida por Espanha) para notar o “ponto histórico de inflexão” que a COP28 pode representar para uma década que é “crítica”.

“Temos uma tarefa na próxima semana que é capturar a ambição da mitigação”, segundo a ministra, que acrescentou que se deve também ter foco em decisões multilaterais que garantam “acesso à água doce, segurança alimentar, resposta adequada aos desafios sanitários ou da preservação da biodiversidade”.

A COP28, que começou na quinta-feira, está a decorrer até dia 12 de dezembro no Dubai, Emirados Árabes Unidos.

Porque o seu tempo é precioso.

Subscreva a newsletter do SAPO 24.

Porque as notícias não escolhem hora.

Ative as notificações do SAPO 24.

Saiba sempre do que se fala.

Siga o SAPO 24 nas redes sociais. Use a #SAPO24 nas suas publicações.