“Se a Coreia do Norte provocar, o nosso Exército deve puni-la rápida e decisivamente”, disse o chefe de Estado em declarações divulgadas pela agência sul-coreana Yonhap.

Após uma reunião com os comandantes militares das Forças Armadas, realizada na cidade de Gyeryong, no centro do país, o dirigente indicou que a missão do exército é proteger “a todo custo” vidas, propriedades e território.

Yoon Suk-yeol salientou a necessidade de ter “uma forte defesa” para assegurar a protecção da segurança e do interesse nacionais, e anunciou “um salto em frente” na investigação científica e tecnológica, através do programa ‘Defence Innovation 4.0’.

“Precisamos de elaborar medidas fundamentais contra as ameaças nucleares e de mísseis da Coreia do Norte”, especificou o presidente sul-coreano, anunciando ainda um reforço do orçamento da defesa do país.

A Coreia do Norte realizou este ano 19 testes de mísseis balísticos, um número recorde.

Em março, Pyongyang testou um míssil balístico intercontinental capaz de atingir os Estados Unidos, violando uma moratória de 2018 em grandes testes de mísseis.

Autoridades sul-coreanas e norte-americanas disseram, recentemente, que Pyongyang está quase a finalizar os preparativos para realizar o primeiro teste nuclear em cerca de cinco anos.

O país, completamente isolado do mundo exterior desde o início da pandemia, ignorou os convites para retomar o diálogo com a comunidade internacional sobre o desarmamento.

Porque o seu tempo é precioso.

Subscreva a newsletter do SAPO 24.

Porque as notícias não escolhem hora.

Ative as notificações do SAPO 24.

Saiba sempre do que se fala.

Siga o SAPO 24 nas redes sociais. Use a #SAPO24 nas suas publicações.