Numa conferência de imprensa na cidade de Manaus, capital regional do estado brasileiro do Amazonas, Pazuello informou que um avião viaja ainda hoje para a Índia para ir buscar dois milhões de doses da vacina desenvolvida pela Universidade de Oxford em parceria com a farmacêutica AstraZeneca, produzidas pelo laboratório indiano Serum.

Segundo o ministro brasileiro, as vacinas devem desembarcar no país no sábado, dia 16 de janeiro, ou seja, na véspera da reunião da Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa), órgão que regula medicamentos no país, para decidir sobre o uso de emergência de duas vacinas contra a covid-19, que já causou cerca de 205 mil mortos e 8,2 milhões de infetados no Brasil.

“É hora de viajar e trazer [as vacinas], já estão com os documentos de exportação prontos”, disse Pazuello.

“Assim que houver um posicionamento da Anvisa, teremos material para distribuir e capacidade para vacinar em todo o país”, acrescentou.

Para o início da vacinação, o Governo brasileiro dispõe de oito milhões de doses de vacinas, das quais dois milhões serão das desenvolvidas pela AstraZeneca/Universidade de Oxford e seis milhões correspondem à Coronavac, outra vacina que foi produzida pelo Instituto Butantan em parceria com o laboratório chinês Sinovac.

Ambas foram descritas como “muito promissoras” pelo ministro da Saúde e aguardam autorização para o seu uso em caráter urgente pela agência reguladora, que deve anunciar a sua decisão sobre estes pedidos no próximo domingo.

“Somos o país que mais imuniza no mundo, sempre fomos. Somos o país com o maior programa de imunização do mundo. (…) Não saímos do curso em um minuto”, enfatizou Pazuello, que está em Manaus devido à situação de emergência que a cidade atravessa pela segunda vez em menos de dez meses devido à pandemia de covid-19.

Após a aprovação da Anvisa, o Ministério da Saúde brasileiro planeia iniciar a distribuição das doses da campanha nacional de vacinação contra a covid-19 em “três ou quatro dias”, para que a imunização possa começar no próximo dia 20 de janeiro, segundo os cálculos mais “otimistas” do Governo.

Pazuello também destacou que Manaus é a “prioridade nacional” neste momento, embora não tenha deixado claro se terá preferência no que diz respeito à receção das vacinas.

“Ninguém vai receber a vacina antes de Manaus. A vacina será distribuída simultaneamente em todos os estados, na proporção da sua população. E Manaus também será prioridade”, disse o ministro.

Com uma população de cerca de quatro milhões de habitantes, o estado do Amazonas acumula quase 6.000 mortes e mais de 215.000 infeções pela covid-19.

A cidade de Manaus já regista o seu maior índice de internamentos devido à doença desde o início da pandemia no país, em fevereiro passado.

Por isso, Pazuello garantiu hoje serão contratados 180 profissionais de saúde e que 150 camas de tratamento intensivo dentro de hospitais, que são usadas para atender pacientes em estado grave, deverão ser libertadas para pacientes na cidade, que já recebeu um reforço de 198 cilindros de oxigénio.

A pandemia do novo coronavírus no Brasil já fez cerca de 205 mil mortos e 8,2 milhões de infetados, o que o torna no terceiro país do mundo com mais infeções, à frente da Rússia.

Porque o seu tempo é precioso.

Subscreva a newsletter do SAPO 24.

Porque as notícias não escolhem hora.

Ative as notificações do SAPO 24.

Saiba sempre do que se fala.

Siga o SAPO 24 nas redes sociais. Use a #SAPO24 nas suas publicações.