“Vamos analisar bem o diploma e verificar por onde deveremos apresentar a nossa reclamação”, disse Fernando Sá, apelando às autarquias do Norte para que suspendam, até dezembro deste ano, as taxas cobradas aos feirantes.

O primeiro-ministro, António Costa, anunciou na quarta-feira que Portugal vai “regressar ao dever de recolhimento domiciliário” tal como em março e em abril, alertando que este é simultaneamente o momento “mais perigoso, mas também um momento de maior esperança”.

As feiras ficarão suspensas, a partir de sexta-feira, exceto em relação à venda de produtos alimentares.

Em declarações à Lusa, Fernando Sá considerou que “a situação é muito injusta”, porque se continuam a “favorecer os grandes grupos económicos ligados à distribuição e o pequeno comércio e, por tabela, as pequenas indústrias que fornecem estas atividades comerciais, são prejudicadas”.

“As feiras só podem funcionar com produtos alimentares, tendo ao lado hipermercados a vender de tudo, ou seja, vendem em espaços fechados produtos idênticos a muitos estabelecimentos e aos negócios da feira, que agora não têm permissão para o exercício das suas atividades”, sublinhou.

Frisou que “se os feirantes não podem trabalhar, todos os fornecedores desses feirantes, a montante, deixarão de ter a quem vender e todos ficarão sem rendimento”.

A Associação de Feiras e Mercados da Região Norte representa cerca de 8.000 feirantes.

Newsletter

As notí­cias não escolhem hora, mas o seu tempo é precioso. O SAPO 24 leva ao seu email a informação que realmente importa comentada pelos nossos cronistas.

Notificações

Porque as noticias não escolhem hora e o seu tempo é precioso.

Na sua rede favorita

Siga-nos na sua rede favorita.