O Irão registou 13.922 novos casos de contaminação nas últimas 24 horas, elevando o total de casos confirmados para 1.003.494, disse a porta-voz numa declaração feita na televisão estatal.

O Irão é o país do Médio Oriente mais afetado pela pandemia, tendo identificado 1.003.494 pessoas infetadas com o novo coronavírus desde o anúncio dos primeiros casos, em fevereiro, disse Lari à televisão estatal.

De acordo com dados do Governo, considerados amplamente subestimados pelo próprio ministro da Saúde (devido aos protocolos de rastreamento), o vírus já matou 49.348 pessoas no país.

O Irão nunca impôs nenhum confinamento geral para conter a doença por receio de afundar para sempre a economia do país, em recessão desde que o Presidente dos Estados Unidos, Donald Trump, decidiu retomar as sanções ao país, em 2018.

No entanto, as autoridades impuseram, a 21 de novembro, o encerramento por duas semanas de vários setores não essenciais em áreas de maior risco epidemiológico, reforçando assim as restrições impostas para conter aquilo que o Presidente Hassan Rouhani chamou de “a terceira vaga” do vírus.

Essas medidas aplicam-se à grande maioria das cidades do país, incluindo Teerão e 30 outras capitais de província.

Nos últimos dias, segundo dados oficiais, o número de mortes diárias parece ter descido ligeiramente, tendo-se registado em novembro uma média de 400 mortes diárias.

Como a maioria dos países atingidos pela pandemia, o Irão, que começou a desenvolver a sua própria vacina na primavera, aguarda ansiosamente pela disponibilização de uma vacina contra o vírus.

O ministro da Saúde iraniano, Said Namaki, anunciou na quarta-feira que uma empresa iraniana tinha “obtido uma licença para testar a vacina em humanos”, depois de a epidemiologista do Comité Nacional de Controlo do Coronavírus Minou Mohraz ter afirmado esta semana que a fase de testes em animais já foi concluída.

Caso a vacina nacional tenha sucesso, o Irão será “um dos principais produtores [da vacina] na região no início da próxima primavera”, afirmou Namaki.

Ainda assim, o ministro garantiu que o país já acordou a compra de cerca de 16,8 milhões de doses de uma vacina “via Covax” — o mecanismo de acesso às vacinas instituído pela Organização Mundial da Saúde (OMS) – sem especificar qual.

Formalmente, os medicamentos não fazem parte da lista de sanções de Washington, mas, na realidade, os bancos internacionais preferem recusar todas as transações que envolvam o Irão para não correrem o risco de se exporem a retaliações dos Estados Unidos.

Newsletter

As notí­cias não escolhem hora, mas o seu tempo é precioso. O SAPO 24 leva ao seu email a informação que realmente importa comentada pelos nossos cronistas.

Notificações

Porque as noticias não escolhem hora e o seu tempo é precioso.

Na sua rede favorita

Siga-nos na sua rede favorita.