A medida foi anunciada esta tarde em Arouca, no distrito de Aveiro, durante a apresentação da campanha de promoção nacional e internacional do destino Portugal.

"Esta semana vamos assegurar a reabertura das viagens não-essenciais a partir dos Estados Unidos para Portugal, para pessoas que tenham certificado de vacinação, conforme a recomendação do Conselho Europeu recentemente aprovada", disse Pedro Siza Vieira.

Isso significa que visitantes provenientes do território norte-americano "com duas vacinações completas de uma marca reconhecida pela Autoridade Europeia do Medicamento poderão fazer viagens não-essenciais [para Portugal] a partir da próxima semana".

Segundo o governante, visa-se sobretudo "assegurar que há critérios uniformes de circulação de pessoas" dentro do território europeu.

"O que quisemos assegurar é que os cidadãos que cumprissem os mesmos requisitos dentro da União Europeia pudessem recuperar essa liberdade de circulação", declarou Pedro Siza Vieira.

O ministro acredita que a mobilidade aérea retomará a normalidade "nas próximas semanas ou nos próximos meses" porque os planos de vacinação "estão a ser executados a grande velocidade em toda a Europa", mas disse que, entretanto, o foco das entidades do setor deve ser outro.

"Temos de continuar a fazer o nosso trabalho independentemente de decisões de outros estados", defendeu o governante, em referência à decisão do Reino Unido de retirar Portugal da sua lista verde.

"Continuaremos a trabalhar no sentido de criar as melhores condições para que quem nos queira visitar possa vir em segurança. Existe uma procura por viagens que, neste momento, está reprimida por decisões administrativas, sanitárias e de outra natureza. Quando normalizarmos a situação sanitária e tivermos capacidade de retomar a mobilidade aérea, o que toda a gente estima que possa ocorrer durante o verão, vamos recuperar já este ano alguma atividade turística", explicou.

A estimativa do Governo é que, no final de 2021, Portugal possa estar com "um nível de visitantes estrangeiros e de receitas turísticas ligeiramente acima do ano passado".

"É difícil porque estivemos praticamente quatro meses com toda a atividade turística em níveis muitíssimo reduzidos e teremos que fazer um grande esforço na segunda metade do ano, mas achamos que é possível", concluiu Pedro Siza Vieira.

[Notícia reformulada às 22:54 para esclarecer ao longo do texto que os cidadãos estrangeiros referidos pelo ministro são norte-americanos e que o certificado de vacinação que apresentem não está relacionado com o Certificado Digital Covid-19 da União Europeia]

Porque o seu tempo é precioso.

Subscreva a newsletter do SAPO 24.

Porque as notícias não escolhem hora.

Ative as notificações do SAPO 24.

Saiba sempre do que se fala.

Siga o SAPO 24 nas redes sociais. Use a #SAPO24 nas suas publicações.