com o apoio MEO
O MEO Energia ajuda-o a poupar. Simule aqui

De Paris a Moscovo, o mundo apagou as luzes durante a Hora do Planeta

Este artigo tem mais de 2 anos
A Torre Eiffel em Paris, a Acrópole em Atenas, o Kremlin em Moscovo ou a Ópera de Sydney são apenas alguns dos monumentos no mundo que apagaram este sábado as suas luzes durante uma hora para aumentar a consciencialização das mudanças climáticas e o seu impacto na biodiversidade do planeta.
De Paris a Moscovo, o mundo apagou as luzes durante a Hora do Planeta
Malásia, Kuala Lumpur

Na 13ª edição da Hora do Planeta, organizada pela Organização Não-Governamental WWF, milhões de pessoas em 180 países apagaram as luzes às 20h30 para refletir o impacto do gasto energético sobre as mudanças climáticas e o seu papel fundamental na natureza.

"Somos a primeira geração a ter consciência que estamos a destruir o mundo. E podemos ser os últimos a ser capazes de fazer algo a esse respeito", diz a chamada da WWF. "Nós temos as soluções, só precisamos que as nossas vozes sejam ouvidas".

O presidente da WWF-Austrália, Dermot O'Gorman, disse à agência France-Press (AFP) que "a Hora do Planeta continua a ser o maior movimento de base no mundo para que as pessoas adotem medidas contra as mudanças climáticas", disse.

"Trata-se de incitar os indivíduos a realizar ações pessoais e, desta forma, unirem-se a centenas de milhões de pessoas em todo o mundo para demonstrar que não precisamos apenas de ações urgentes em relação às mudanças climáticas, mas também devemos proteger o nosso planeta", acrescentou.

No ano passado, quase 7.000 cidades em 187 países apagaram as luzes dos seus edifícios emblemáticos, segundo a WWF.

Este ano, o apelo ocorre após a divulgação de relatórios globais com advertências urgentes sobre o estado do habitat natural e das espécies na Terra.

De acordo com o último relatório publicado pela WWF em 2018, entre 1970 e 2014, o número de espécimes de vertebrados — peixes, aves, mamíferos, anfíbios e répteis —, caiu 60% em todo o mundo. Um declínio que atingiu 89% nos trópicos, na América do Sul e Central.

A Hora do Planeta, iniciada há 12 anos em Sydney, converteu-se “num movimento que vai muito além” de apagar a luz, conforme explicou à agência noticiosa Efe Miguel Ángel Valadares, da WWF.

Porque o seu tempo é precioso.

Subscreva a newsletter do SAPO 24.

Porque as notícias não escolhem hora.

Ative as notificações do SAPO 24.

Saiba sempre do que se fala.

Siga o SAPO 24 nas redes sociais. Use a #SAPO24 nas suas publicações.

Veja também

 
 
 

Comentários

Reparámos que tem um Ad Blocker ativo.

A informação tem valor. Considere apoiar este projeto desligando o seu Ad Blocker.

Pode também apoiar-nos subscrevendo a nossa , as nossas notificações ou seguindo-nos nas redes sociais Facebook, Instagram e Twitter.
mookie1 gd1.mookie1