“Transmiti ao Presidente da República de Moçambique [Filipe Nyusi] o pesar” pela morte de Afonso Dhlakama “porque se trata do líder de um partido com assento no parlamento moçambicano”, disse Marcelo Rebelo de Sousa.

E o líder da Renamo, acrescentou o Chefe de Estado aos jornalistas, em Évora, foi também “um interlocutor nos esforços em curso”, e que são “importantes”, pela “procura da paz e da concórdia para a pátria irmã moçambicana”.

“Também formulei o voto de que continuasse o caminho da paz e da construção da concórdia, que é importante ali [em Moçambique] como é importante em todo o mundo”, destacou o Presidente da República, que disse ter apresentado também as suas condolências à família de Afonso Dhlakama.

Logo na quinta-feira, dia em que morreu o líder da Renamo, Marcelo Rebelo de Sousa, numa curta nota publicada no portal da Presidência da República, expressou o seu pesar ao presidente moçambicano Filipe Nyusi.

O presidente da Resistência Nacional Moçambicana (Renamo) morreu na quinta-feira na Serra da Gorongosa, centro de Moçambique, devido a problemas de saúde.

Afonso Dhlakama, 65 anos, vivia refugiado na serra da Gorongosa, no centro do país, desde 2016, como havia feito noutras ocasiões, quando se reacendiam os confrontos entre a Renamo e as forças de defesa e segurança de Moçambique.

A Renamo é a principal força de oposição à Frente de Libertação (Frelimo), o partido no poder em Moçambique desde a independência do país, em 1975.

Porque o seu tempo é precioso.

Subscreva a newsletter do SAPO 24.

Porque as notícias não escolhem hora.

Ative as notificações do SAPO 24.

Saiba sempre do que se fala.

Siga o SAPO 24 nas redes sociais. Use a #SAPO24 nas suas publicações.