Em comunicado de imprensa, sete dirigentes demissionários do Aliança referem que apresentaram hoje uma queixa ao Tribunal Constitucional contra o presidente do partido, Paulo Bento, e o diretor executivo, Florival Pinto, por “falta de transparência, sonegação de informação, gestão danosa, abuso de poder e fraude eleitoral”.

Entre as “ilegalidades” que imputam aos dois dirigentes do Aliança, o grupo de demissionários alega que houve, entre outros, “angariação de donativos numa conta bancária particular”, “não prestação das contas de 2020 à Entidade das Contas”, "não apresentação das contas do exercício de 2020 aos militantes" e “reiterada sonegação de informação quanto a extratos bancários”.

“Os signatários do documento acusam Paulo Bento e Florival Pinto de não terem perdido os maus hábitos adquiridos ‘noutras paragens’ e de serem os ‘coveiros’ do Aliança, por terem causado graves danos ao partido e condicionado seriamente a sua afirmação e o seu futuro, através de jogadas típicas da ‘velha e baixa política’, em completo desrespeito pelos valores do Aliança e por tudo o que são os princípios da ética democrática”, lê-se no comunicado.

Em declarações à Lusa, Paulo Bento refutou “totalmente” as “acusações caluniosas”, considerando que os dirigentes demissionários “mais não do que dirigentes ressabiados por não fazerem parte – a maioria deles – de listas de candidaturas, por razões e única responsabilidade própria”.

“É o exemplo vivo do que é a falta de respeito pelo partido. Do modo em que o partido se encontra em processo de eleitoral, em dezenas de concelhos – quer em coligação, quer sozinho -, este conjunto pequeno de dirigentes (…) entende que é a maneira de ajudar o partido, tentando prejudicá-lo com notas de imprensa, com queixas caluniosas e que refuto totalmente”, indicou o presidente do Aliança.

Paulo Bento referiu ainda que rejeita tratar a questão em "praça pública" e que, “felizmente”, o Aliança tem um congresso marcado para o dia 30 e 31 de outubro onde será abordada a matéria.

Reagindo também à “tentativa desesperada de salvar” o Aliança, que os sete membros demissionários dizem ter motivado a apresentação da queixa junto do Tribunal Constitucional, Paulo Bento disse que o partido “nunca esteve tão vitalizado como agora”.

“O Aliança, neste momento, concorre em 33 concelhos do país às eleições autárquicas, com a perspetiva de eleger algumas dezenas de militantes seus no processo autárquico. Um partido que tem zero eleitos em qualquer lugar público, se eles entendem que o partido está moribundo, é a interpretação deles”, sublinhou.

O Aliança vai concorrer a 33 dos 308 concelhos do país nas eleições autárquicas de setembro, com listas próprias em três municípios e em coligação nos restantes 30.

Na maioria das 30 coligações que integra, o Aliança junta-se ao CDS-PP (20) e ao PSD (17), apresentando-se ainda aos eleitores em acordos concelhios com o PPM, PDR, MPT, RIR e Nós Cidadãos.

O partido concorre em 12 dos 18 distritos do continente (Beja, Braga, Bragança, Castelo Branco, Coimbra, Évora, Faro, Lisboa, Porto, Setúbal, Viana do Castelo e Vila Real) e na Região Autónoma da Madeira.

As eleições autárquicas vão realizar-se no dia 26 de setembro.

Porque o seu tempo é precioso.

Subscreva a newsletter do SAPO 24.

Porque as notícias não escolhem hora.

Ative as notificações do SAPO 24.

Saiba sempre do que se fala.

Siga o SAPO 24 nas redes sociais. Use a #SAPO24 nas suas publicações.