A Amnistia Internacional disse hoje ter provas de que pelo menos seis crianças, incluindo uma de 12 anos e outra de 14 anos, foram torturadas sob custódia, e refere outras 12 que foram submetidas a desaparecimentos forçados, desde 2015.

A organização não-governamental cita familiares para denunciar que as seis crianças torturadas foram vítimas de choques elétricos nos órgãos genitais e noutras partes do corpo ou foram suspensas pelos braços e pernas.

Najia Bounaim, dirigente da Amnistia Internacional, pede ao governo egípcio para libertar “todas as crianças arbitrariamente detidas”, bem como anular sentenças contra crianças emitidas por tribunais para adultos.

A Amnistia Internacional considera que o governo do Egito tem vindo a executar uma repressão sem precedentes contra dissidentes, prendendo milhares de pessoas de forma arbitrária e sem direito a julgamento.

Porque o seu tempo é precioso.

Subscreva a newsletter do SAPO 24.

Porque as notícias não escolhem hora.

Ative as notificações do SAPO 24.

Saiba sempre do que se fala.

Siga o SAPO 24 nas redes sociais. Use a #SAPO24 nas suas publicações.